fbpx
Aprenda 9 dicas para melhorar o orçamento de uma obra!

Trabalhar mais tempo no planejamento de um projeto é atividade primordial para que o objetivo seja alcançado. Em um orçamento de obras não é diferente. Para que a entrega final cumpra com o esperado e todos sejam beneficiados, conhecer e desenvolver um orçamento corretamente é fundamental.

O responsável pela confecção de orçamento de obras — geralmente um orçamentista — precisa estar atento a muitos detalhes: prazo de entrega dos materiais e da obra, quantidade necessária de insumos e mão de obra, quais materiais comprar com base no nível de estoque e os impostos atrelados ao projeto, são alguns exemplos.

Para mostrar que o processo de confecção de um orçamento não precisa ser complexo, separamos abaixo 9 dicas do que levar em consideração para melhorar o orçamento de obras que você desenvolve. Veja também os riscos e a importância de fazer um orçamento confiável!

Qual a importância de fazer um orçamento de obras?

Normalmente, os erros no cálculo de custos diretos e indiretos de uma obra geram muitos problemas, principalmente depois que o material já foi solicitado e a obra começou.

Um orçamento confiável reflete a realidade, primando pela redução de custos sem afetar a qualidade do serviço e a maximização do lucro sem superfaturar a obra.

Um orçamento de obras eficiente deve levar em consideração diversos aspectos internos e externos à obra para que o objetivo do projeto seja alcançado. É de responsabilidade do engenheiro a elaboração dessa peça técnica que determina como e quais recursos serão utilizados.

Quais problemas um orçamento impreciso pode trazer?

A lista de infortúnios é imensa, mas o orçamento errado prejudica principalmente:

  • o não cumprimento dos prazos acordados entre cliente e construtora;
  • prejuízo financeiro por necessidade de desembolso maior do que o previsto;
  • abandono de obra em virtude da falta de verba;
  • má qualidade ao comprar, observando somente o preço, materiais de características inferiores;
  • baixo poder de barganha frente ao fornecedor pela falta de outras opções de orçamentos.

Quais dicas ajudam a melhorar o orçamento de obras?

1. Planeje

Esta é a fase preliminar no processo de orçamentação. Apesar de ser responsabilidade do orçamentista, o planejamento deve levar em consideração a participação de outros membros da equipe, já que cada um tem a sua especialidade e visão sobre a obra.

A utilização da tabela SINAPI (Sistema Nacional de Pesquisa de Custos e Índices da Construção Civil) auxilia o responsável a pesquisar os custos dos insumos — equipamentos e materiais — e serviços utilizados em obras. É uma fonte confiável, já que é atualizada todo mês pelo IBGE e Caixa Econômica Federal.

Mesmo que o planejamento seja adotado, lembre-se que é necessário adaptar-se à realidade. Por isso é de suma importância que também seja definido o valor disponível para gastar na obra. Ou seja, se você verificar que o orçamento precisa ser atualizado com a obra já em andamento, revise-o.

2. Conheça o local

Fazer uma visita in loco vai possibilitar um novo olhar sobre a obra, permitindo que detalhes sejam vistos e necessidades sejam incluídas no orçamento. Faça um checklist para verificar as condições de nivelamento e ventilação do terreno, tipo de solo e localização do lençol freático. Assim, será possível identificar se há aclive ou declive, quais as condições necessárias à fundação e profundidade até o lençol freático, respectivamente.

Você já pensou no tamanho do problema em não considerar os impactos que a obra pode causar aos vizinhos ou quais são as condições para armazenar os materiais que precisam ser estocados?

3. Acompanhe o mercado

Estar de olho nas tendências do mercado coloca você à frente e possibilita que esteja atualizado na hora de fazer o orçamento. Os P&Ds na área de engenharia lançam ao mercado, de tempos em tempos, as inovações tecnológicas. Para a composição do orçamento, a própria tabela SINAPI permite o conhecimento dos produtos disponíveis.

A velocidade das mudanças no mundo de hoje é enorme e, frequentemente, os equipamentos se tornam obsoletos. Esteja atento à qualidade dos materiais e ao comportamento dos seus fornecedores. Opte por empresas que se atualizam frequentemente e tenham prazos de entrega ideais e compatíveis às suas necessidades. Ao manter um bom relacionamento, se houver alguma necessidade não prevista, você conseguirá resolver mais facilmente.

Outro ponto relevante são as constantes alterações em leis de cunho ambiental e trabalhista. A substituição de materiais prejudiciais ao meio ambiente, as iniciativas de reflorestamento e adequação dos equipamentos de proteção individual (EPIs) são alguns exemplos de como o mercado está em constante movimento.

4. Conheça as especificações técnicas dos insumos

Para fazer um orçamento fidedigno às necessidades da obra, a qualidade do material a ser utilizado deve ser levada em consideração no momento da composição do orçamento. Além de garantir que a empresa preze pelo bom atendimento e qualidade, os efeitos negativos e tempos de prevenção e manutenção se tornam menores.

Como os materiais são utilizados em ambientes com características distintas, busque manter-se atualizado sobre as informações técnicas dos insumos. No caso de telhas metálicas, por exemplo, as de natureza simples podem receber acabamentos superficiais (pós ou pré-pintadas), as termoacústicas possuem material isolante em sua composição (EPS/PUR/PIR) e as zipadas são ideais para cobertura de lugares amplos e com pouca inclinação.

5. Faça um levantamento e detalhe todos os custos

Ao levantar os custos necessários à obra, a dica é sinalizar todas as quantidades de materiais e equipamentos que serão utilizados direta ou indiretamente. Caso seja fechada com uma construtora, tente sempre acompanhar o prazo da obra. Se for fechada com uma equipe própria de operadores, atente-se às informações de folha de pagamento e dos encargos trabalhistas e todos os custos indiretos que incorrem da obra (gasto com a equipe administrativa, por exemplo).

A hipótese de trabalhar com cenários é válida e serve para orientar o desenvolvimento em múltiplas situações. Os cenários possíveis são: pessimista, realista e otimista.

6. Use valores de referência atualizados por região

Mesmo que um produto esteja “mais em conta”, veja se o preço a ser pago pelo frete compensará a aquisição com aquele fornecedor. Os impostos municipais e estaduais também são diferentes de região para região.

O correto para não errar no orçamento de obras é considerar os valores por região e atualizá-los constantemente, devido às variações econômicas.

7. Utilize a curva ABC

Com a curva ABC é possível saber quais são os insumos mais importantes do estoque, podendo ser categorizados em uma escala de economia — alta, intermediária e baixa prioridades.

Quando você criar a curva ABC, saberá quais insumos deverá barganhar mais com o fornecedor pelo seu grande apelo monetário.

8. Calcule o BDI no orçamento de obras

O BDI (Benefícios e Despesas Indiretas) influencia diretamente na formação do preço de venda da obra, caso ela seja um empreendimento. Isso porque, como o próprio nome sugere, ele leva em consideração aquelas despesas que não estão diretamente relacionadas à construção da obra. É a parte relativa à administração, gestão, custos financeiros, seguros, tributos, impostos e a margem de lucro que a obra terá.

9. Use a tecnologia a seu favor

Confeccionar orçamento de obras pode ser muito trabalhoso e demandar um tempo enorme na rotina de um engenheiro, mesmo para quem está acostumado a utilizar o Excel. Para melhorar o fluxo das atividades, otimizar o tempo e os recursos disponíveis, além de fazer uma gestão de obras mais eficiente, a utilização de um software é a chave para tornar o processo menos oneroso.

Se a tecnologia escolhida permitir que mais informações sejam anexadas, como fluxo de caixa, lembretes de recebimento de materiais e nível do estoque, a experiência no software fica melhor ainda.

Usando as dicas acima você vai melhorar o orçamento das obras não só por deixar o trabalho mais fluido, mas responsável e de qualidade. A entrega final ao cliente já começa com o pé direito.

Compartilhe este conteúdo em suas redes sociais e divida as dicas com mais profissionais da sua área! Também é uma ótima oportunidade de trocarem uma ideia de como estão realizando orçamento de obras, não acha?

Comments (3)

  1. boa noite, sou orçamentista na empresa na qual eu trabalho,tenho certa dificuldade devido a concorrencia desleal ,porque sempre procuro executar as minhas obras de acordo com os projetos os quais chegam ate a minha empresa obedecendo praticamentes todos ,requisitos necessarios , sejam eles diretos ou indiretos encargos trabalhistas impostos municipais ,estaduais e federal .sendo obrigado a baixar o lucro pra conseguir ficar no mercado (ESTRUTURISTA), assim inpendido de investimento futuro.

  2. […] custos de mão de obra também não são altos, pois a sua construção é simples, não necessitando de […]

  3. […] é válido destacar que existem alguns tipos que são mais comuns, sendo empregados em várias obras. Veja, a seguir, os […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Share This