fbpx
prédio em construção

A construção industrial é uma tendência que se consolida a cada dia na Engenharia Civil, afinal, ela propõe a utilização de materiais, técnicas e ferramentas muito mais eficientes do que as tradicionais. Assim, é possível conquistar projetos altamente alinhados às tendências contemporâneas de sustentabilidade, agilidade e máximo custo-benefício.

É preciso compreender alguns pontos importantes para não errar durante a elaboração e a execução dos projetos. Quer saber mais sobre o assunto? Continue a leitura deste post!

Faça o download deste post inserindo seu e-mail abaixo

Não se preocupe, não fazemos spam.
Powered by Rock Convert

1. A relação entre indústria 4.0 e a construção civil

A indústria 4.0 está transformando o cenário de diversos setores, inclusive a construção civil. Essa tendência propõe inovações em processos altamente ineficientes, que drenavam a produtividade e a eficiência. Ela é caracterizada pelos seguintes pilares.

Automação e inteligência artificial

Deve-se buscar a redução de tarefas manuais em atividades repetitivas, visto que a mão de obra humana não agrega nenhum valor em relação à robotizada. Assim, podemos capacitar os recursos humanos para as tarefas em que fazem mais diferença, como controle de qualidade e criação.

Na construção industrial, muitas das estruturas são pré-fabricadas por máquinas dotadas de inteligência artificial ou automação de altíssimo nível. Desse modo, podem realizar os mesmos procedimentos dezenas de vezes a cada hora, sem cometer nenhum erro e sem cansaço.

Há diversos exemplos nesse sentido:

  • no concreto pré-fabricado, as máquinas dosam exatamente a qualidade de material programada, fazem a mistura, injetam-na nos moldes, controlam a cura e a secagem;
  • na manufatura de telhas metálicas, o projetista insere as características da peça, como ondulação, a curvatura e as dimensões. Então, os equipamentos cortam e dobram a peça sob medida.

Com isso, é possível ter materiais desenvolvidos exatamente para as demandas do seu projeto.

Monitoramento em tempo real

Durante a fabricação das peças e a execução das obras, a tecnologia também desempenha um papel importante no monitoramento de resultados. O gestor pode incluir diversos indicadores de qualidade, performance, desempenho etc. O software vai, então, acompanhá-los em tempo real e de forma automatizada.

Para que isso aconteça, ele pode se comunicar diretamente com as máquinas da produção ou ser alimentado por colaboradores. Nesse último caso, a integração permite que a informação seja inserida apenas uma vez e atualizada instantaneamente em diversos módulos.

Internet das Coisas

No primeiro caso, os equipamentos e os softwares estão integrados na mesma infraestrutura de rede de transmissão de dados. Assim, podem dialogar e executar comandos uns nos outros. É isso que chamamos de Internet das Coisas, ou IoT.

Além disso, sensores podem ser adicionados para facilitar o monitoramento das condições da linha de produção.

Operações integradas

Tudo isso também permite que as operações tenham uma integração total. É possível programar as ações de acordo com o início e a finalização de outras etapas. Dessa forma, o cronograma vai ser cumprido mais facilmente.

Manufatura modular

Propõe a reprogramação das máquinas com mais facilidade. Dessa forma, elas executam diferentes tarefas conforme a necessidade da linha produtiva. É uma estratégia importantíssima para a indústria dos pré-fabricados, que precisa oferecer produtos sob medida.

2. As diferenças entre a construção industrial e a tradicional

A seguir, confira o que difere a construção industrial da construção tradicional.

Processo produtivo

A construção civil tradicional é caracterizada pela execução de várias tarefas em um mesmo local. Todo o processo é sequencial e não-modular. Frequentemente, uma etapa da obra fica pendente, esperando que outra seja concluída.

A construção industrial é pensada como uma linha de montagem. Diversas peças são produzidas em diferentes lugares, e o canteiro de obras é o local onde elas são integradas. É um processo ligeiramente semelhante ao que se faz nas montadoras de automóveis. Além disso, há um monitoramento contínuo para aumentar a produtividade do processo.

Perfil da mão de obra

A construção industrial demanda uma força de trabalho mais especializada, capacitada para operar máquinas automatizadas e compreender sistemas de gestão. Seu principal trabalho não será diretamente a fabricação das estruturas, mas a supervisão e o controle de qualidade.

A construção tradicional demanda mais habilidades manuais, visto que são os profissionais que montam as estruturas.

3. Os desafios da construção industrial

A construção industrial também apresenta uma mudança de paradigmas, que demandam algumas adaptações das empresas de engenharia.

A importância de capacitação e expertise na execução do projeto

Pelos motivos que explicamos acima, a construção industrial demanda capacitação dos profissionais. Por se tratar de inovações introduzidas recentemente, os cursos técnicos e superiores ainda não abordam grande parte das competências exigidas.

Nesse sentido, como grande parte das compras é feita por empresas especializadas, há uma necessidade de especialistas em compras técnicas. É um tipo completamente diferente de habilidade em relação à tradicional: não é preciso saber levantar uma parede, mas avaliar as técnicas de fabricação e as propriedades dos materiais utilizados, fazer a inspeção da qualidade etc.

Durante a execução, é preciso monitorar diversos indicadores de qualidade e realizar eventuais manutenções nos equipamentos. Ao contrário de muitas tarefas manuais, isso exige uma atualização constante para trazer cada vez mais inovações para os projetos.

O protagonismo das técnicas produtivas

A chave para o sucesso dos projetos de construção civil industrial é a escolha das ferramentas certas para manter o máximo de custo-benefício. Nesse sentido, a construção a seco tem se destacado com as seguintes técnicas.

Estruturas pré-fabricadas

Essa estratégia vai muito além do concreto. É possível contratar fundações, armações para telhados, armaduras metálicas, paredes, entre outras partes de um edifício.

Alvenaria pré-moldada

Na construção industrial, ela se parece cada vez mais com os brinquedos da nossa infância, como o Lego. Exemplificando, nas técnicas secas, a base das fundações é feita com furos sob medida para o encaixe das vigas, demandando o mínimo de ligantes. Por sua vez, as paredes de tijolos pode vir pré-fabricadas para o encaixe perfeito nas vigas. Quando muito, os tijolos são encaixados in loco, sem o uso de concreto ou argamassa.

Estruturas metálicas

Hoje em dia, elas estão ficando cada vez mais frequentes nas obras, pois podem ser fabricadas sob medida e de forma automatizada. No caso das telhas, o engenheiro entrega as medidas e as especificações ao fornecedor. As máquinas fazem o recorte adequado e, no canteiro, basta pregá-las na armadura (que possivelmente será pré-fabricada).

Pela eficiência, produtividade e pelo custo-benefício que apresenta, a construção industrial tem se popularizado a cada dia. Ela permite uma construção muito mais rápida e tem menos complexidade de funções nos canteiros de obras. No entanto, ela também traz seus desafios, como uma mão de obra mais qualificada

Gostou de saber mais sobre o assunto e quer continuar recebendo as principais dicas de inovações da construção civil para ter mais competitividade no mercado? Curta a nossa página no Facebook!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *