fbpx
Conheça agora os principais tipos de telhas metálicas

Conheça agora os principais tipos de telhas metálicas

Diversos tipos de telhas metálicas são utilizadas nas obras atualmente, independentemente do tamanho do projeto. Por apresentarem grande versatilidade elas otimizam os trabalhos do arquiteto e do engenheiro.

Além disso, há vários fornecedores confiáveis no mercado, como a Regional Telhas. Conosco você pode ficar tranquilo em relação à qualidade da cobertura do seu projeto. Quer saber mais? Acompanhe!

Sua fabricação utiliza: ligas metálicas resistentes à corrosão e são confeccionadas em forma de lâmina. Suas variadas conformações geométricas, multidobras, calandradas e trapezoidais, atendem a diversos projetos e suas necessidades.

Essas conformações em sua forma são importantes para conquistar alguns objetivos em uma edificação, como maior escoamento de água, facilidade de ventilação e redução da transmissão de calor.

Cada tipo de telha atende ao escopo definido pelos clientes. Com vantagens adicionais as telhas metálicas podem receber vários tipos de tratamentos adicionais, os quais conferem outras propriedades importantes em uma construção. Talvez, o mais relevante seja a implementação de revestimentos de EPS, PUR ou PIR, os quais agem como isolantes térmicos e acústicos para melhorar o conforto dentro dos ambientes. Nesses casos, recebem a denominação de telhas termoacústicas.

Devido a essas tecnologias, as coberturas metálicas conseguiram estender seu mercado ao residencial, oferecendo as telhas termoacusticas que têm dupla vantagem: a isolação térmica e a acústica que conferem conforto aos ambientes domésticos. 

Quais são tipos de telhas metálicas?

A Regional Telhas disponibiliza dois modelos atualmente, a ondulada e a trapezoidal. Cada uma delas tem seu uso próprio:

  • onduladas — são preferíveis em barracões em arco, fachadas e fechamento lateral. Nesses casos, oferecem toda a proteção necessária contra riscos e dão qualidade à cobertura;

  • trapezoidais — são recomendáveis em coberturas planas, forros, fachadas e fechamentos laterais. Para isso, contamos com vários modelos — da trapézio 10 até a 120. Todas essas opções podem ser utilizadas nas estruturas. 

Nesses dois casos, pode-se facilmente adicionar a proteção termoacústica com o EPS, mesma em telhas planas.

Quais os principais modelos de telhas trapezoidais?

Na Regional Telhas, são comercializados oito tipos:

  • RT10/1090;

  • RT25/1020;

  • RT35/1050;

  • RT40/980;

  • RT40/1020;

  • RT100/952;

  • RT100/900;

  • RT260/620.

O RT representa a altura do castelo. Por exemplo, no RT40/980, o primeiro número significa 40 mm de altura, enquanto o segundo, 980, nos mostra a dimensão de 98 cm de largura.

Como oferece maior largura útil, aliada à resistência, esse tipo de telha é muito procurada. O mercado tem se expandido para além dos usos tradicionais. Afinal, as telhas de aço, principalmente no Brasil, sempre foram muito utilizadas em barracões grandes, mas ignoradas em edificações menores. Hoje em dia, já são aplicadas em pequenas obras e residências.

Como elas podem fazer a diferença em um projeto?

Facilidade de instalação

As telhas de metal são muito simples de instalar. Após concluída a construção das vigas do teto, cada telha é pregada de forma individual à estrutura. Ao contrário dos modelos de concreto e de cerâmica, não é preciso fazer o encaixe entre as peças para que haja fixação eficiente. 

Maior proteção

Os modelos em cerâmica e concreto necessitam de um encaixe perfeito entre as peças para que nenhuma delas se solte, uma vez que não são pregadas diretamente nas vigas. Por isso, grandes manifestações climáticas, como tempestades, podem acabar danificando a cobertura ao causar a remoção de uma ou mais peças. Já as metálicas são “chumbadas” nas vigas, então, os ventos geralmente não são capazes de causar sua remoção. 

Custo-benefício

As telhas metálicas apresentam uma relação de custo-benefício superior às demais opções. Isso se deve ao fato delas reduzirem os gastos em várias etapas:

  • fabricação — os materiais e os processos são mais baratos, o que diminui os preços para o cliente;

  • instalação — a maior agilidade permite menos investimento em mão de obra;

  • manutenção — a resistência do material reduz a necessidade de troca de peças.

O que considerar na hora de escolher uma telha para seu projeto?

Além do tamanho da obra e do espaçamento entre os apoios, que fornecem limitações estruturais, é preciso atentar para outros critérios. ​

Espessura da chapa

A Regional Telhas trabalha com as chapas 043 até a chapa 080: quanto mais grossa essa chapa, mais firme a telha será. Atualmente, a espessura mais vendida é a da chapa 043, no entanto para um barracão industrial, recomenda-se a chapa 050, por ser mais rígida.  

A telha 043 é de fácil manuseio enquanto que a 080 é bem mais forte. Portanto, cada espessura serve para ser utilizada em diferentes tipos de construções. 

​A inclinação e a altura do castelo

A inclinação do telhado determina tanto a estética da construção quanto a sua capacidade de escoamento de água. Portanto, ela precisa ser muito bem planejada. Atente-se para o fato de que cada telha tem uma inclinação mínima.

Quanto maior o castelo, menor será a inclunação mínima. Por exemplo, a RT25 tem inclinação mínima de 12%; já a RT120 tem a inclinação mínima de 5%. Portanto, para um barracão grande, recomendamos a utilização da RT120, por conta da queda d’água, pois, em um dia de chuva, a tendência é o líquido descer mais rapidamente na RT120 do que na RT25.

Aplicação

Além disso, é importante avaliar ​a aplicação, ou seja, o que você colocará por baixo dessa cobertura. Em projetos residenciais, é bom ter uma telha termoacústica. Por outro lado, em um barracão industrial, pode ser uma telha simples.

Características regionais

Se a construção for perto de áreas litorâneas, é preciso considerar a maresia. Nesses casos, recomenda-se um revestimento de alumínio ou inox. Por essa razão, você deverá escolher um fornecedor que vá além da entrega do produto, oferecendo uma consultoria completa.

A Regional Telhas tem uma cartela de tipos de telhas metálicas muito ampla, para que você possa atender ao escopo de qualquer tipo de obra. Temos a melhor infraestrutura de frete da região e um estoque bastante expressivo, o que garante a entrega dos seus pedidos sem atraso.

 

Quer saber como podemos ajudar? Entre em contato conosco!

grande galpão com estruturas e telhado de metal

Por que a Regional Telhas é a melhor opção para grandes compras?

Fazer a gestão de grandes compras pode ser uma tarefa extremamente desafiadora. Afinal, esse setor é responsável por tomar decisões muito importantes e que influenciam em praticamente todos os pontos de uma obra.

Nesse sentido, talvez o passo mais importante seja a escolha de bons parceiros para o fornecimento de insumos para o canteiro. Assim, é possível manter um elevado nível de excelência em todas as etapas. Quer saber mais sobre o assunto? Continue a leitura deste post!

Qual é a importância do processo de compras na construção civil?

O processo de compras é essencial para o sucesso de qualquer projeto na construção civil. Afinal, devemos entregar aos nossos clientes tudo aquilo que prometemos no plano inicial da obra em relação aos prazos, aos valores e à qualidade. Isso só é possível quando temos uma gestão de compras eficiente, com parceiros confiáveis. A seguir, explicamos sua importância nos mais diversos quesitos.

Cumprimento do cronograma de obras

Todo pedido que você faz aos seus fornecedores tem um prazo para sair dos estoques da empresa até a sua obra. Ele pode variar bastante dependendo de alguns fatores:

  • distância;
  • capacidade logística;
  • presença do produto pronto e livre nos estoques;
  • necessidade de customização etc.

Desse modo, você encontra desde fornecedores disponíveis para a pronta entrega àqueles que demandam um prazo de meses. O ideal é que você conte com um parceiro que tenha estoque rotativo, com boa reserva. Assim, você garante prazos menores e evita a ocorrência de atraso.

Cumprimento do orçamento

Um bom fornecedor oferece preços competitivos no mercado, pois sabe que as obras precisam cumprir com orçamentos apertados. Se você tem um bom parceiro de longa data, ganha capacidade de negociação, o que permite o cumprimento constante do orçamento.

Qualidade constante

Um grande problema que as obras enfrentam é a falta de uniformidade da entrega dos fornecedores. É possível que algumas entregas não sofram qualquer problema, com produtos de alta qualidade e íntegros na hora do recebimento.

Por outro lado, em alguns momentos eles podem entregar produtos ruins, o que causa um grande transtorno. Por isso, é imprescindível contar com parceiros renomados no mercado, que fazem da excelência o seu grande valor.

Quem é a Regional Telhas?

Iniciamos nossas atividades em 1988, na cidade de Assis, com o objetivo de atender a uma demanda local por telhas e perfis metálicos. Com o passar dos anos, ganhamos cada vez mais espaço no mercado e passamos a atender também a todo o território nacional.

A partir daí, passamos a nos especializar no segmento de cobertura, especialmente das telhas. Com a fabricação delas, conseguimos aumentar o nosso portfólio e começamos a produzir vários modelos diferentes, como o modelo ondulado e diversos formatos trapezoidais, além dos diferentes tipos de matéria-prima.

Dessa forma, conseguimos nos destacar no seguimento de coberturas metálicas por sermos uma empresa comprometida com o aumento contínuo da qualidade. Em função disso, nossos investimentos não param. Realizamos a aquisição de uma frota própria de caminhões e contamos com excelentes parceiros, como transportadoras terceirizadas. Tudo isso garante maior eficiência  e uma excelente distribuição dos materiais.

Além disso, contamos com um estoque expressivo e poderoso para dar conta de atender às demandas, até mesmo de obras maiores.

O cliente que vai adquirir um produto, além da condição de preço e da boa qualidade, quer que o material chegue à obra para que ela seja concluída. Com as nossas medidas é possível atingir o tripé da gestão de compras que explicamos na primeira parte deste post: preço baixo, prazos cumpridos e orçamento preciso.

Por que utilizar os modelos de telha galvalume da Regional Telhas?

Além dos modelos de telhas mais tradicionais, começamos a trabalhar com uma tecnologia mais avançada, como a matéria-prima aço galvalume, que é um material de origem australiana. Até 2003, o aço era considerado um material inferior para as coberturas. Isso acontecia porque era galvanizado, um processo para evitar a oxidação. Com a liga de galvalume, por outro lado, o processo se tornou mais tecnológico, com o apelo de uma resistência à corrosão muito maior — isto é, duração a intempéries muito maior do que o aço galvanizado.

Nossa maior obra de galvalume foram 150 mil m² de telhas em uma indústria de cerâmica na cidade de Rio Claro. Fomos um dos primeiros a trazer isso para o Brasil. Depois, para obter essa tecnologia do material, as usinas nacionais como a CSN pagaram os royalties da patente para essa empresa australiana. Desde então, adotou-se os nomes galvalume ou aluzinc no Brasil.

Quando ele foi nacionalizado, o custo inicial era muito maior do que o aço galvanizado. Com o aumento da demanda, o custo diminuiu um pouco e a distribuição melhorou. Hoje, ele detém uma parcela grande do mercado.

Quais são as facilidades e vantagens que a Regional Telhas oferece?

Consideramos que a melhor resposta ao nosso serviço é o cliente comprar pela segunda vez. Felizmente, temos uma excelente taxa de reincidência de compra de vários clientes satisfeitos. Os feedbacks dos clientes são muito bons, mesmo à medida que estamos avançando territorialmente, quebrando a barreira do nosso estado. Hoje, atendemos a todas as regiões do Brasil.

As fronteiras estão abertas e os clientes estão comprando para obras expressivas, como o Aeroporto de Guarulhos, Embraer e Arena Palmeiras, Vale e Nestlé. Essas empresas estão sempre conosco porque confiam e sabem que temos condições de fornecer materiais à altura do escopo desse tipo de projeto.

Atendimento único e personalizado

Além disso, nosso grande diferencial está no atendimento. Se vier à Regional Telhas, você se sente em casa. Nós somos simples no modo de tratar, e oferecemos atenção e conforto. Acreditamos que falta isto no mercado: simplicidade, praticidade e objetividade. Por isso, consideramos esses os nossos lemas.

Versatilidade

Nós atendemos com excelência desde quem vai fazer uma cobertura em uma pequena casa até obras de grande porte. Tudo isso com o mesmo nível de qualidade, na mesma forma simples e agradável.

Vendemos em todo o Brasil com revendedores externos, representantes diretos no mercado, além daqueles que trabalham no suporte interno, que são os coordenadores de venda. Todos têm o mesmo objetivo: a excelência no atendimento.

Especialidade

Somos especialistas em telhas metálicas. Depois desses altos e baixos do mercado, conseguimos manter condições de aumentar o nosso portfólio com outros produtos, agregando valor. Esse é o caso da telha de poliuretano, que é uma telha com função térmica e acústica.

Hoje, a evolução é uma exigência grande no mercado. Começamos com telhas singelas, sem preenchimento algum, passamos para o isopor (EPS) nas telhas térmicas, migramos para o poliuretano e depois para as telhas compostas.

Trabalhamos com uma linha extremamente moderna, telhas zipadas que usam núcleo termoacústico com lãs de rocha, de PET, de vidro, entre tantas outras.

Dentro do nosso portfólio, para atender ao mercado criativo de arquitetos e engenheiros, também fornecemos telhas com formatos diferenciados. Além da telha plana, fazemos a calandrada, a ondulada e as multidobras, que conseguem tomar formas sinuosas.

Com todas essas opções é possível fazer coberturas e fachadas e conseguir uma decoração voltada para os seus objetivos empresariais, por exemplo. É possível idealizar o conceito de venda para o seu cliente final de uma área comercial, usando multidobra com a cor, o formato e dentro das condições que você precisa fazer.

Com essas dicas é fácil perceber por que a Regional Telhas é um parceiro importante para a realização das grandes compras. Temos um atendimento completo para que você conquiste o sucesso no seu pedido, desde a consultoria inicial até o pós-venda. Assim, você poderá contar com as melhores coberturas do mercado.

Quer saber mais sobre como podemos auxiliar o seu projeto? Então, entre em contato com os nossos consultores!

grupo de engenheiros reunidos em uma obra

Descubra como se destacar como engenheiro de compras!

O engenheiro de compras é uma profissão relativamente nova no mercado. Ela surgiu da necessidade de as empresas elaborarem e monitorarem melhor os seus processos de aquisição de insumos e serviços. Afinal, a grande concorrência do mercado globalizado demanda que as empresas apresentem produtos a preços mais competitivos para conquistar seus clientes.

No entanto, isso potencialmente pode gerar uma queda na receita ou uma diminuição da capacidade de investimento. Assim, os gestores começaram a perceber a necessidade de aumentar os lucros pela via da redução de custos em vez de sacrificar o consumidor com um preço elevado. Nesse contexto, surgiu a necessidade de um engenheiro de compras. Quer saber mais? Acompanhe!

O que é um engenheiro de compras?

Ele é um profissional capaz de auxiliar na redução dos custos das matérias-primas e dos serviços terceirizados, além da elaboração de processos de cadeia de suprimentos mais eficientes. Esse é o grande objetivo de um engenheiro de compras.

A profissão, em si, tem vários níveis. Você começará como um assistente de compras, um cargo ocupado por estagiários e trainees que pretendem fazer carreira no setor. Em geral, não há um curso de graduação tecnológica específica para a engenharia de compras. Estudantes de várias outras áreas, como engenharia de produção e administração, podem trilhar esse caminho.

Como assistentes, eles vão ficar constantemente supervisionados por gestores do setor para aprender, na prática, grande parte das técnicas. Após se formar e iniciar um curso de pós-graduação em engenharia de compras, o profissional poderá almejar o próximo passo da carreira, o comprador júnior.

Apesar de ainda precisar da supervisão de outros colegas, ele já tem uma autonomia maior e uma capacidade de tomar decisões por conta própria. Nesse nível, eles ficam responsáveis pelas pesquisas de fornecedores, contatos operacionais, tarefas burocráticas etc. No entanto, ainda não podem tomar decisões que influenciem as operações ou a gestão da empresa.

Essas tarefas são para o próximo degrau da profissão, o comprador pleno. Em média, eles já contam com quatro anos de experiência no setor e podem se envolver com todas as negociações, até as mais complexas. Geralmente, têm a autorização de aprovar as compras cotidianas sem precisar submeter suas decisões aos superiores hierárquicos.

Tudo isso é feito sem nenhum tipo de supervisão, pois ele já é considerado um profissional completo. Ele também é responsável por tomar as decisões que impactem o plano estratégico da empresa e, até mesmo, modificá-lo.

Por fim, no topo da carreira, está o comprador sênior. Sua principal missão é a elaboração de todo o planejamento de compras de uma empresa, o monitoramento dos resultados e o contato com os principais parceiros do negócio. Ele é considerado o líder do departamento de compras e conhece praticamente todas as técnicas.

Como se tornar um engenheiro de compras?

Para se tornar um engenheiro de compras, não é preciso ter uma graduação específica. No entanto, o ideal é que você tenha um título na área de gestão e administração, como:

  • tecnólogo em logística;
  • tecnólogo em gestão financeira;
  • engenheiro de produção;
  • engenharia civil;
  • administrador;
  • contador etc.

Desse modo, você já terá familiaridade com várias ferramentas utilizadas para a gestão de compras. Na verdade, o mais importante passo na sua formação será a pós-graduação, na qual você se especializará em engenharia de compras.

Quais são as suas principais atribuições?

Elabora o plano estratégico de compras

Uma das primeiras tarefas de um engenheiro de compras é a elaboração do plano de compras. Para isso, ele analisa os objetivos comerciais da empresa e pensa como os processos de compras podem ajudar a alcançá-los.

Por exemplo, se uma das metas for “apresentar os melhores produtos no mercado para o público da classe A”, o foco do gestor de compras será procurar os fornecedores mais renomados do mercado, mesmo que eles vendam as matérias-primas mais caras. Ele deverá avaliar presencialmente cada insumo e realizar pequenos testes de qualidade até encontrar aquele que satisfaça as demandas do seu público.

Por outro lado, o objetivo comercial pode ser ter “o preço mais competitivo entre os concorrentes”. Desse modo, ele deve fazer uma ampla pesquisa de mercado, realizar várias rodas de negociação de preços, verificar se os rendimentos dos insumos desvalorizam o preço etc.

Realiza pesquisas de mercado

Grande parte das tarefas de um engenheiro de compras envolve as pesquisas de mercado. Por isso, ele deve conhecer muito bem o setor no qual atua. Hoje em dia, há uma competição muito grande, e o profissional pode trazer inúmeros benefícios para as obras se tiver os contatos certos e muita curiosidade em procurar o melhor preço.

Negocia com fornecedores

Esse é o principal diferencial de ter um engenheiro de compras em um projeto. Por ele ter conhecimento de mercado e expertise técnica, é o melhor profissional para persuadir os fornecedores a oferecer melhores condições. Afinal, ele poderá falar sobre as perspectivas de longo prazo da parceria, sobre o equilíbrio do preço e da oferta-demanda etc.

Supervisiona os processos de compra

Entre tantas atividades executadas por ele, não podemos deixar de falar da supervisão dos processos de compra. Ele é o responsável pela monitorização das métricas e dos indicadores do setor. Em caso de mau desempenho e baixa produtividade, será ele o responsável por desenvolver medidas corretivas.

Qual é o perfil esperado pelo mercado?

Capacidade de negociação

Esse profissional deve ser persuasivo, com uma boa retórica. Ele será uma espécie de vendedor da sua empresa para os fornecedores, mostrando como a oferta de boas condições nas compras pode levar a um relacionamento duradouro. Desse modo, ele os convence a trocar a lucratividade de curto prazo pelo longo. Para isso, também é imprescindível que ele tenha um excelente conhecimento técnico, pois frequentemente precisará apresentar dados para o convencimento.

Proatividade na busca por parcerias

As melhores parcerias não vêm até você, elas são frutos de um processo de busca ativa. Para isso, você deve fazer uma ampla pesquisa do mercado e conversar com colegas do setor até encontrar o fornecedor certo. Depois disso, ainda há um longo processo de diálogo em que todas as partes negociam os melhores termos e chegam a um contrato excelente.

Inovação

A inovação vem da busca por novos canais de comunicação e da utilização de sistemas digitais automatizados para o monitoramento de toda a gestão de compras. Assim, o engenheiro desse departamento deve também ter conhecimentos e curiosidade em relação à tecnologia da informação.

Em praticamente todos os tópicos, você deve ter visto que uma das principais tarefas do engenheiro de compras é encontrar um bom fornecedor, negociar bons termos com ele e gerenciar essa relação. Isso é imprescindível para o negócio, pois os parceiros adequados trabalham junto à sua empresa no projeto, entendendo suas demandas específicas. A partir disso, ele apresenta os melhores produtos e oferece as melhores condições para que sua obra tenha sucesso.

Quer continuar recebendo as melhores dicas de gestão de obras nas suas redes sociais? Então, siga as nossas páginas no Twitter e no Facebook.

dois homens em uma reunião

Como determinar a viabilidade econômica de um empreendimento?

Determinar a viabilidade econômica de um negócio não é uma tarefa muito simples, pois demanda a análise de vários fatores de ordem financeira e de um mapeamento preciso dos riscos do projeto. Com isso, os gestores e as demais partes interessadas podem tomar decisões corretas que não comprometam o escopo desejado pelos clientes atuais e potenciais.

Neste post, explicaremos melhor o conceito de viabilidade econômica e sua importância para a construção civil. Depois disso, daremos algumas dicas para que você não falhe nesse momento. Quer saber mais? Acompanhe!

O que é a viabilidade econômica de um projeto?

A viabilidade econômica de uma obra é um estudo global sobre as condições internas e externas que permitirão a finalização do projeto com lucro. Assim, é uma ferramenta essencial para que os executivos e diretores de uma construtora decidam se vale realmente a pena iniciar o empreendimento naquele momento. Afinal, os riscos financeiros podem acabar trazendo um grande prejuízo para o negócio, além do potencial comprometimento da imagem da marca.

Nesse tipo de análise, portanto, são levados em considerações pontos, como:

  • cenário macroeconômico — o gestor deverá avaliar as perspectivas de crescimento regional, as tendências inflacionárias, a taxa de juros, entre outros critérios;
  • condições financeiras do seu negócio — é preciso saber se haverá dinheiro em caixa suficiente para cobrir todas as demandas do projeto ou se haverá possibilidade de financiamentos e empréstimos;
  • demanda do mercado — em alguns casos, a baixa procura por empreendimentos no mercado impede a imposição de preços lucrativos e seu negócio operará sem nenhum ganho de receita ou com prejuízo;
  • capacidade de atração de investidores — uma obra precisa de aporte constante de capital e, nesse sentido, é importante contar com investidores para injetar recursos quando preciso, assim como dividir os riscos.

Com todos os dados de viabilidade econômica, iniciar um empreendimento não se torna uma aventura, mas uma decisão estratégica dentro dos objetivos comerciais do seu negócio.

Qual a importância de analisar a viabilidade de um projeto?

Um dos problemas mais frequentes que levam ao insucesso de empresas na construção civil é o mau planejamento financeiro de um projeto. Elas não dimensionam bem os custos, contam com uma demanda inexistente, estabelecem preços fora do equilíbrio de mercado etc.

Com isso, muitas obras são deixadas incompletas tanto que, em praticamente todas as cidades, as pessoas podem observar edifícios incompletos e abandonados. A análise da viabilidade financeira visa a eliminar justamente esse problema.

Como garantir a viabilidade econômica de um empreendimento?

Definição de metas e objetivos orçamentários

As metas são todas as vantagens que você deseja alcançar com aquele projeto, é o que ele agregará no seu negócio quando ele for concluído. Assim, vai muito além dos lucros, trata-se de avaliar a posição do novo empreendimento no planejamento estratégico do seu negócio. A seguir, falaremos algumas perguntas que podem ser respondidas nessa etapa:

  • qual é a lucratividade esperada?
  • quais são os custos desejados?
  • qual será o benefício da nova obra para a imagem da sua empresa?
  • como ela melhorará sua posição no mercado?

São as respostas para perguntas como essas que guiam as metas para garantir o sucesso do empreendimento. Afinal, o gestor deve trabalhar com um tripé para garantir a viabilidade: um bom orçamento inicial, um fluxo de caixa adequado e o alcance de um preço perto do equilíbrio da oferta e da demanda.

Projeção de receitas, custos e despesas

Apesar de trabalharmos com muitos números e cálculos, a gestão de uma obra não é uma ciência exata. Há vários fatores que influenciam as receitas e as despesas. Por exemplo, um surto inflacionário pode aumentar significativamente o custo do projeto, gerando várias alterações no orçamento inicial.

Portanto, o papel do gestor é fazer boas projeções. Assim, ele deverá analisar vários fatores atuais que geram riscos para a obra. Depois disso, ele projetará uma série de cenários e estimará a probabilidade que cada um deles ocorrerá. Isso será essencial para elaborar planos de contingência a fim de evitar que o orçamento extrapole muito o seu escopo inicial.

Estimativa dos gastos imprevistos

Certamente, alguns dos riscos elencados no planejamento inicial vão realmente ocorrer. Logo, seu orçamento precisa conter uma estimativa de quanto dinheiro deverá ser reservado para esses gastos inesperados. Com isso, evita-se que haja interrupções na obra, pois um recurso foi direcionado para resolver uma contingência.

Esse é um ponto muito importante para os investidores de um projeto. Quando eles percebem que há uma gestão eficiente em um empreendimento, eles se sentem seguros para aportar capital.

Cálculo do tempo da obra

Todo o orçamento de uma obra deve ser elaborado em harmonia com o cronograma. Afinal, o tempo é um dos principais fatores que influenciam no custo geral de uma obra. Cada dia de atraso significa um gasto maior com mão de obra, aluguel de equipamentos, deterioração de materiais, depreciação de máquinas etc.

Além disso, um maior tempo expõe o negócio a maiores riscos, pois os cenários macro e microeconômicos estão em constante mudança. Assim, prolongar uma obra pode significar o comprometimento da viabilidade financeira de longo prazo.

Como a tecnologia pode melhorar a viabilidade econômica de um negócio?

Primeiramente, a construção civil tem recebido bastante novidades em relação a materiais, peças e equipamentos. Elas ajudam a reduzir os custos com matéria-prima, otimizam os processos operacionais e aumentam a qualidade do empreendimento. Isso por si só já tem auxiliado os engenheiros a fazer projetos mais viáveis, com um custo e um tempo de obra menores.

Ademais, também surgiram várias ferramentas de gestão muito interessantes. Há aplicações e softwares que acompanham automaticamente vários indicadores de performance de uma obra, além de facilitar o gerenciamento do cronograma e do orçamento.

Outras, a partir dos dados sobre as condições iniciais do projeto, são capazes de fazer várias análises de risco que ajudam as partes a tomarem decisões adequadas sobre a exequibilidade de seus planos. Com isso, o gestor pode fazer um monitoramento muito mais preciso e corrigir falhas precocemente, antes que elas comprometam a finalização do projeto.

Portanto, a determinação da viabilidade econômica de um empreendimento é uma ferramenta imprescindível para os gestores de obras. Ela auxilia os processos de tomada de decisão para que sua empresa consiga realizar todas as metas e objetivos traçados em seu plano de negócios.

Essas dicas são realmente muito úteis para evitar os problemas mais comuns nos canteiros de obras brasileiros, não é mesmo? Então compartilhe nosso post nas redes sociais!

arquiteto desenhando a planta de uma casa

O que fazer para garantir o conforto acústico em um projeto?

Bem-estar, tranquilidade, aconchego. Se questionamos a um cliente quais são as sensações buscadas com a realização de uma obra em sua casa ou no ambiente de trabalho, recebemos como resposta pelo menos um desses itens. O conforto acústico é um importante aliado na obtenção dessas características, pois tem como base a garantia de um ambiente sem influência de ruídos desagradáveis aos ouvidos.

Zelar pelo conforto auditivo dos beneficiários de um projeto de obra é lei, e o texto que regulamenta os níveis adequados de ruído para cada ambiente encontra-se disponível nas NBR 10152 e 15575.

Não à toa, para garantir que os estudos sobre o conforto acústico cumpram requisitos previstos na Norma, nosso país regulamentou, desde 2011, o curso superior de Engenharia Acústica, cuja primeira turma se formou em 2014 pela Universidade Federal de Santa Maria (RS).

Com todas essas informações, podemos perceber que proporcionar boas condições acústicas ao cliente não deve ser uma tarefa subestimada. Por isso mesmo, preparamos um artigo com algumas informações importantes sobre como garantir o conforto acústico em um projeto. Continue lendo para saber mais sobre o assunto!

Como funciona o conforto acústico?

O objetivo do conforto acústico é o estudo dos níveis de ruídos que têm interferência direta ou indireta na edificação e sua tratativa, com o objetivo de oferecer ao cliente um ambiente mais harmônico e com menos poluição sonora.

A identificação das fontes de ruído pode gerar impactos que vão desde a escolha de matérias-prima até a definição da posição da edificação no terreno.

Existem formas diferentes de controlar ruídos e intervenções sonoras: atuando diretamente na fonte de ruído, criando obstáculos em seu percurso ou blindando o receptor.

Atuar na fonte de interferência sonora, por exemplo, significa trabalhar para anular essa fonte de som, substituindo-a por outra ou criando barreiras de isolação.

A relação entre isolamento e conforto

A principal diferença entre os dois tipos de trabalho acústico é a origem dos ruídos. Quando tratamos de interferência externa, vinda da rua ou dos arredores, falamos em isolamento acústico, ou o trabalho para impedir que os sons penetrem a estrutura, causando desconforto e incômodo.

O conforto acústico, por outro lado, pode abarcar o isolamento acústico como uma das soluções necessárias para a obtenção do resultado desejado, que nesse caso é a sensação de limpeza sonora no ambiente.

Por que o conforto acústico é importante em um projeto?

Muitas vezes encontramos clientes que pensam que o trabalho de conforto acústico pode ser realizado apenas no pós-obra, no momento de composição do ambiente e conforme o surgimento da necessidade. Entretanto, sabemos que, se considerado desde a etapa de projeto, o resultado é mais eficaz e econômico.

Independentemente do estabelecimento ser particular ou comercial, trabalhar o conforto acústico é essencial para a saúde e o bem-estar de seus usuários. Entre os prejuízos mais comuns causados pela interferência sonora, estão a irritabilidade e as dores de cabeça. Em situações mais extremas, a falta de planejamento pode levar até mesmo a mudanças de pressão arterial ou surdez.

Como elaborar um projeto de conforto acústico?

Quando o conforto acústico é integrado ao projeto de obras desde a sua concepção, é possível harmonizar técnicas e materiais para obter um resultado diferenciado. A seguir você confere algumas dicas que auxiliam na elaboração de um bom projeto de conforto acústico, levando em conta cada um dos aspectos necessários — desde a fase de estudos até a execução.

Identifique o tipo de ruído e trabalhe soluções específicas para ele

A primeira dica é: entenda o cenário do cliente e avalie as soluções de forma personalizada. Se estivermos falando, por exemplo, de um hotel, saberemos que o desempenho do negócio dependerá das soluções pensadas para evitar a propagação de ruídos. O mesmo acontece com escolas, onde há oscilações comprovadas no desempenho dos alunos em decorrência de um planejamento acústico mal-executado.

Nesses caso, é importante avaliar desde a necessidade de isolamento acústico do teto e das paredes — que pode ganhar intensidade de acordo com o material antirruído aplicado entre as chapas, por exemplo — até a necessidade de construção de barreiras físicas, como desníveis, colunas e portas.

Invista em materiais de boa qualidade

O mercado brasileiro já conta com uma vasta gama de materiais acústicos disponíveis. Sua principal funcionalidade é conferir isolamento e conforto aos ambientes, de acordo com a necessidade do cliente.

Mantas, painéis, esquadrias, vidros acústicos e EPS são alguns dos elementos-chave cuja aplicação pode gerar impactos positivos no projeto.

Escolher o material de construção adequado exige um estudo prévio da dimensão do espaço trabalhado e do nível desejado de isolamento de ruídos. Nesse momento, é fundamental compreender as propriedades de cada recurso, evitando que haja um efeito colateral indesejado no espaço.

Um exemplo desse tipo de particularidade é o forro de fibra mineral, que se apresenta como um excelente absorvedor acústico, mas não se sustenta como isolador, permitindo que o som atravesse para o ambiente seguinte.

Considere particularidades do ambiente no projeto

A definição do material adequado para a criação de um ambiente com conforto acústico também depende das características e das particularidades do ambiente.

Se falamos, por exemplo, de um estúdio com ambientes integrados, será necessário pensar em soluções estruturais para minimizar as interferências internas, já que cada som interfere no ambiente de forma ampla. Uma das saídas é trabalhar pisos e tubulações, evitando a propagação dos ruídos estruturais — causados pelo impacto de uso.

Para mitigar os ruídos estruturais, uma das saídas possíveis é apostar em pisos mais silenciosos, como o piso suspenso — que tem pouco contato com o contrapiso — ou o vinílico — mais macio e não produz volume de ruído com o impacto. Para evitar a propagação de sons vindo de equipamentos hidrossanitários, como tubulações de esgoto, uma das saídas é estabilizar a tubulação usando braçadeiras resistentes e isolar o som com mantas de lã mineral.

Busque parceiros que entendam do assunto

Um bom trabalho em equipe é feito quando todos os participantes do projeto têm amplo conhecimento de causa. Por isso, uma dica de ouro para executar um bom projeto de conforto acústico é contar com profissionais especializados na área.

Procure fornecedores para construção civil que trabalhem com os materiais necessários há algum tempo e que tenham clientes de grande porte com projetos bem executados. Essa é uma das formas de atestar a credibilidade da empresa e garantir tranquilidade na execução das etapas do plano.

Garantir o conforto acústico em um projeto exige muita preparação prévia e estudos consistentes sobre as inúmeras possibilidades oferecidas no mercado.

Agora que você já tem em mãos um guia com as principais dicas de como preparar um bom projeto de conforto acústico, que tal assinar nossa newsletter para ficar por dentro de outras temáticas sobre o mundo da construção civil?