fbpx
Como usar o concreto autoadensável na sua obra?

Como usar o concreto autoadensável na sua obra?

Você provavelmente já ouviu falar do concreto autoadensável, porém, sabe quais são suas aplicações e as principais características? Sabe diferenciá-lo do concreto convencional? Esse concreto foi criado em 1988 por pesquisadores japoneses que se depararam com a necessidade de concretar, com eficiência, estruturas que apresentavam alta taxa de armadura.

Para isso, conseguiram desenvolver um concreto que apresenta elevada fluidez, mas, ao mesmo tempo, sem se separar dos elementos que o constituem, ou seja, sem segregar. Mesmo sendo desenvolvido e produzido em larga escala, foi testado realmente em 1997, quando utilizado em uma grande ponte no Japão — com mais de 4.000 metros de comprimento e com um vão central de 1.990 metros.

Quer saber mais sobre esse assunto e entender melhor as características do concreto autoadensável? Então continue essa leitura e não perca!

O que é concreto autoadensável e quais suas principais características?

O concreto autoadensável, também denominado como concreto fluido, apresenta elevada fluidez, resistência à segregação e habilidade passante. Ele não apresenta constituição semelhante à argamassa e também não necessita ser vibrado.

Ele é composto pelos mesmos insumos que compõem o concreto convencional: cimento, agregado graúdo e miúdo, aditivos, adições e água. O que varia é a dosagem e principalmente o teor de finos, que no concreto autoadensável é superior, proporcionando, também, um aumento do consumo de cimento.

Além disso, as adições e aditivos são próprios para conferir maior plasticidade e coesão para a pasta, evitando a segregação entre agregados e pasta de cimento. O resultado, além de um concreto mais coeso e fluido, que não necessita de vibração, é uma resistência final superior.

Esse concreto pode ser utilizado em diversos tipos de obras e aplicações, justamente pela ação dos aditivos que permitem que seja mais facilmente bombeado e apresente homogeneidade — conseguindo fluir facilmente em fôrmas de diversas dimensões, formatos e curvaturas, apenas com seu próprio peso.

A norma técnica que aborda o concreto autoadensável é a NBR 15823. Contudo, outras também são muito relevantes, como a NBR 12655 e a NBR 6118, que abordam respectivamente o concreto de cimento portland e o projeto de estruturas de concreto.

Como é possível utilizá-lo em uma obra?

O concreto autoadensável apresenta características muito importantes, que possibilitam diversos usos e aplicações na construção civil. Como apresenta fluidez, ele é capaz de preencher espaços sem a necessidade de algum tipo de intervenção mecânica, sendo, portanto, excelente em grandes empreendimentos.

Além disso, também apresenta estabilidade, ou seja, coesão suficiente para preencher vazios e espaços, sem que ocorra a separação dos elementos que o constituem. Por isso, são diversas possibilidades de aplicação.

As principais são:

  • nivelamento de calçadas e execução de pisos e contrapisos;
  • fundações, cuja escavação é executada por hélice contínua;
  • paredes diafragma;
  • reservatórios de água;
  • piscinas;
  • estações de tratamento de água e esgoto;
  • locais de difícil acesso;
  • estruturas pré-fabricadas e pré-moldadas;
  • painéis arquitetônicos;
  • paredes e estruturas de concreto aparente;
  • concretagem in loco de lajes, vigas e pilares — principalmente quando o número de pavimentos é elevado, as dimensões são grandes e/ou as peças estão densamente armadas;
  • estruturas que demandam elevada resistência e durabilidade.

Quais são as principais vantagens de sua aplicação?

São diversas as vantagens de utilizar o concreto autoadensável, como redução de falhas, do tempo de execução, maior durabilidade, aumento da resistência inicial, entre outras. Abaixo, você verá as principais:

Redução de falhas

Como o nome diz, o concreto autoadensável dispensa o uso de vibradores, sendo seu próprio peso responsável pelo adensamento. Dessa forma, ninhos e falhas na concretagem são reduzidas significativamente, assim problemas, como a segregação de britas. O resultado é um concreto com maior qualidade — independentemente da complexidade da estrutura ou da peça a ser concretada.

Facilitação de trabalhos em pequenas dimensões

Trabalhos em pequenas dimensões com concreto convencional são dificultados, principalmente, pela necessidade da etapa de adensamento e uso do vibrador. Além disso, a necessidade de acabamento no concreto convencional dificulta a obtenção de um bom resultado. Já o concreto autoadensável não demanda essas etapas, já apresentando um excelente resultado.

Maior durabilidade

A durabilidade do concreto está diretamente ligada à possibilidade de agentes externos entrarem no concreto e atingirem a armadura. Portanto, quanto mais falhas no adensamento, formação de ninhos, problemas na concretagem, segregação de britas, entre outros, menor será a durabilidade da estrutura. Como no concreto autoadensável essas falhas são evitadas e reduzidas drasticamente, apresentará maior durabilidade e qualidade.

Maior desempenho

O concreto auto adensável apresenta resistência ao fogo superior aos demais concretos, além de apresentar melhor desempenho do ponto de vista térmico e acústico. Com isso, reduz os custos com refrigeração e proporciona maior conforto ao usuário.

Como utilizá-lo sem elevar o custo total da obra?

O custo do concreto auto adensável, quando comparado com o do convencional, é superior. Contudo, deve-se analisar o conjunto, considerando o custo-benefício, em vez do custo isolado. Quando se analisa a redução do tempo de execução e da necessidade de mão de obra, observa-se que o custo do auto adensável é extremamente competitivo e viável — sendo interessante na fase de execução, no uso e operação da edificação.

Quais são os componentes do concreto autoadensável para aplicações em obras?

Os materiais e insumos utilizados no concreto autoadensável são semelhantes aos utilizados no concreto convencional, ou seja: cimento, agregado graúdo (em geral, brita), agregado miúdo (em geral, areia), aditivos e água.

Contudo, o que o diferencia do concreto convencional é a dosagem de cada material. Afinal, contém maior quantidade de agregados finos e menos quantidade de graúdos. Dessa forma, o consumo de cimento também é maior e recebe, além de aditivos superplastificantes que aumentam o espalhamento do concreto — sem prejudicar a resistência, adições minerais como sílica ativa ou inerte e filler calcário.

Com o aumento significativo da quantidade de finos, o concreto tem uma melhora considerável de suas propriedades no estado fresco, endurecido, somado também ao aumento da coesão da pasta e da resistência inicial.

Gostou deste texto? Entendeu como o concreto autoadensável pode ser aplicado e quais suas vantagens? Então, aproveite a visita ao blog e entenda mais sobre a construção civil e suas diversas possibilidades lendo o texto “Estrutura para telhado: aço ou madeira, qual escolher?”

Quais as 6 principais vantagens de utilizar a cobertura em arco?

Quais as 6 principais vantagens de utilizar a cobertura em arco?

A cobertura de uma edificação é a estrutura responsável pela proteção contra chuvas, ventos, neve e outros eventos externos. Ela precisa seguir o modelo arquitetônico do prédio ao mesmo tempo em que atende aos parâmetros técnicos e econômicos. Para isso, ela deve ser impermeável, promover isolamento térmico e acústico e ser leve, e a forma e o custo devem ser analisados em conjunto conforme esses critérios.

Neste texto vamos abordar os atributos da cobertura em arco mostrando como ela pode ser econômica e versátil. Ficou curioso? Continue a leitura para descobrir quais são os aspectos de uma cobertura em arco e as principais vantagens de utilizar esse método construtivo. Confira!

Características da cobertura em arco

Um dos objetivos de usar cobertura em arco é impedir o acúmulo de precipitação. Para isso, ela precisa ter determinada inclinação, capaz de escoar a água da chuva rapidamente.

A cobertura pode ser feita de diversos tipos de materiais, como madeira, cerâmica, aço, laje com impermeabilização e outros. Deve ainda ser escolhida de acordo com as variações climáticas e especificações técnicas do projeto.

O componente indicado para desenvolver a cobertura em arco é o aço. Ele é uma liga metálica versátil e consegue se moldar em diversas formas sem perder suas propriedades. Isso faz com que a estrutura em aço consiga vencer vãos sem aumentar muito a sua espessura.

A norma técnica NBR 5.720/1982 é a mais conhecida e antiga, ela determina as condições exigíveis que devem ser aplicadas às coberturas. Entretanto, em 2010, ela foi substituída pela NBR 15.873 que define os princípios de coordenação modular nas edificações.

Vantagens de adotar a cobertura em arco

A cobertura arqueada é utilizada desde a Antiguidade. As civilizações não dispunham de tecnologias como hoje e usavam pedras para formar o arco em aquedutos e estruturas de drenagem. Elas descobriram que dessa maneira era mais fácil alcançar grandes vãos em uma época que não existia concreto armado e ligas metálicas.

Abaixo vamos listar as principais vantagens em construir uma cobertura em aço com os materiais disponíveis no mercado, acompanhe!

1. Baixo investimento inicial

O telhado em arco desenvolvido em estrutura metálica é preparado fora do canteiro de obras, de acordo com o projeto, e depois as peças são levadas para o local apenas para montagem.

Se o telhado fosse construído no local, utilizando outros materiais, como o concreto armado, teríamos que adicionar o custo com mão de obra, fôrmas, tempo de cura do concreto e talvez fosse confirmado que não seria algo viável.

O aço é um material considerado leve e por isso a cobertura em arco é utilizada em galpões, ginásios e quadras, pois permite a rapidez na entrega, menos risco de atrasos no cronograma e material de qualidade.

2. Propriedade termoacústica

De acordo com a norma de desempenho NBR 15.575 de 2013, todas as edificações devem seguir algumas exigências para manter a qualidade na experiência do usuário. Dois pontos importantes são a acústica e o conforto térmico.

A acústica de uma edificação precisa ser confortável para que as pessoas não fiquem incomodadas com barulhos externos e vice-versa. Do mesmo modo, o conforto térmico também deve ser considerado no projeto para diminuir a variação de calor entre os ambientes.

Uma das maneiras de melhorar esse desempenho nas coberturas é utilizando telhas termoacústicas que podem ser produzidas no formato arqueado, contribuindo para o desempenho da edificação.

3. Superação de grandes vãos

As estruturas em arco são ideais para vencer grandes vãos. Dessa forma, o projeto pode ser desenvolvido com mais liberdade, pois o espaço consegue ser melhor aproveitado e composto sem obstruções.

Os materiais mais indicados para grandes vãos são o aço ou o concreto protendido. A estrutura arqueada desempenha bem o papel de proteção exigido sem diminuir ventilação nem iluminação.

4. Projeto desenvolvido com mais qualidade

Durante a concepção do projeto, o telhado em arco deve ser desenvolvido exclusivamente para a construção a que ele se destina, diferente do telhado plano em que as telhas vão sendo montadas no local em cima da estrutura.

Dessa forma, o projeto é desenvolvido de acordo com o estudo prévio da região sobre o clima, consequentemente ele ganha em qualidade no desenvolvimento e na construção.

5. Estrutura autoportante

As estruturas arqueadas podem possuir a propriedade de serem autoportantes, dependendo da montagem da cobertura. Isso quer dizer que o próprio telhado se mantém de pé, como uma cadeira, por exemplo.

As coberturas em arco autoportantes suportam o próprio peso de maneira que não interferem na estrutura que está abaixo. Essa característica permite reduzir custos na construção e aumentar a área útil disponível.

6. Design diferenciado

O telhado curvo pode ser parte complementar do design da obra. De qualquer maneira, a cobertura deve ser feita para proteger a estrutura. Então, uma boa forma de diferenciar a construção é optando por uma solução visualmente diferente das demais.

O telhado plano é o mais comum de ser visualizado nas casas e edifícios, ou então ele é construído embutido e não é possível vê-lo. O telhado curvo é bonito e diferente, pois foge do comum sem perder em nada a qualidade.

O modelo de telha ideal

O modelo de telha ideal para a estrutura em arco é a telha ondulada. No mercado existem diversas opções de telhas metálicas que facilmente podem ser utilizadas em conjunto com a estrutura de aço em uma cobertura de arco. Veja algumas alternativas de peças possíveis de serem utilizadas nas coberturas em arco:

  • trapezoidal;
  • multidobra;
  • calandrada;
  • translúcida;
  • sanduíche.

O projetista deve estudar qual as propriedades desejadas para a edificação e escolher a que melhor atende, sempre considerando prazo de entrega, confiabilidade da empresa e qualidade do produto.

A estrutura arqueada oferece diversas vantagens para a sua construção. A escolha desse modelo depende de vários fatores, como o tipo da construção, sua finalidade, orçamento disponível e variações climáticas do local. O parâmetro que pode ser bem decisivo nessa escolha é justamente o baixo custo inicial de construção da cobertura em arco, na hora de fechar um contrato com boa margem de lucro.

Além de todas as vantagens citadas, o acabamento da estrutura arqueada pode ser realizado utilizando a telha calandrada, desenvolvida de acordo com a NBR 14.514. Conheça mais sobre essa opção e veja como ela pode compor a sua construção.

Fique por dentro de 7 formas de usar drones na construção civil

Fique por dentro de 7 formas de usar drones na construção civil

A tecnologia frequentemente impacta no modo de trabalho de diversos profissionais. A prova disso é o aumento do uso de drones na construção civil. Tecnicamente, chamados de veículos aéreos não tripulados (VANTs), esses equipamentos aparecem entre as novidades para o setor e se destacam pela variedade de aplicações.

Quer saber mais sobre esse dispositivo? Então fique conosco e conheça 7 formas de usar essa tecnologia que está revolucionando o mercado da construção civil!

Principais maneiras de usar drones na construção civil

A aparência de pequena nave de brinquedo engana. Isso porque um único drone é capaz de facilitar uma série de atividades, acessando lugares remotos e fornecendo imagens aéreas de diferentes pontos, ângulos e alturas.

O equipamento é operado por controle remoto e funciona à bateria. Assim, pode ser um aliado de engenheiros e arquitetos que precisam otimizar o dia a dia na obra, reduzir custos, agilizar processos e aumentar a segurança dos trabalhadores.

Confira, a seguir, as principais aplicações dessa máquina nas construções civis!

1. Mapeamento de áreas

Essa etapa é conhecida por envolver análises longas e o uso de equipamentos caros. Em muitas situações, são empregadas medidas estimadas ou que foram obtidas por quarteirões, a fim de acelerar o estudo inicial de empreendimentos.

Com o levantamento aéreo de drones, é possível obter dados mais precisos de terrenos e áreas específicas. Isso porque o equipamento consegue visualizar tudo, de maneira rápida e precisa, sem lidar com barreiras verticais.

Embora não substituam técnicas consagradas e determinados processos manuais, os VANTs podem agilizar os mapeamentos na construção civil. Com eles, é possível calcular dimensões e definir o volume a ser aproveitado no local de análise.

2. Captação de imagens e dados

Além de permitir a visualização geral de um terreno, canteiro de obras ou construção pronta, o drone pode fornecer dados que não seriam captados a olho nu. Ao equipá-lo com sensores especiais, por exemplo, o engenheiro consegue identificar áreas que emitem ondas infravermelhas — inspeção por termografia.

Nesse caso, significa que as regiões mais quentes de um empreendimento podem ser facilmente captadas com o uso desse equipamento na construção civil. A partir dessa informação, os profissionais podem determinar quais ambientes exigem segurança reforçada, por meio da instalação de extintores, portas corta-fogo etc.

3. Acompanhamento de trabalhos

Acompanhar diferentes fases entre o início e o término de uma obra faz parte da rotina de engenheiros e arquitetos. Quanto mais detalhes obtidos em cada etapa, mais chances os profissionais têm de identificar problemas, propor melhorias e encaminhar a equipe de trabalhadores para colocar as soluções em prática.

Nessas situações, o uso de drones é benéfico porque fornece imagens variadas a partir de diferentes ângulos. Como a conexão é remota, o equipamento envia dados em tempo real para um dispositivo (tablet, computador, celular). Assim, os responsáveis já conseguem acompanhar a evolução dos trabalhos e discutir os novos rumos do projeto.

4. Inspeções completas de obras

Conferir as condições de cada elemento construtivo é um processo longo e trabalhoso. Isso porque as inspeções de estruturas geralmente exigem o uso de guindastes e de inúmeros aparatos de segurança. Como se trata de algo fundamental para prevenir problemas, é uma etapa que não pode ser negligenciada.

Os drones, nessas situações, tornam tudo mais rápido e seguro. Se forem complementados por acessórios e ferramentas de apoio, podem identificar infiltrações e problemas elétricos com antecedência. Por acessarem lugares difíceis e enviarem dados precisos, evitam a circulação excessiva de profissionais em telhados, andaimes e outros locais da obra.

5. Simulações de lançamentos

O uso desse aparelho na construção civil também pode melhorar a experiência dos clientes que investem em empreendimentos. Afinal, desde o início de um projeto, fornecem imagens que demonstram os passos tomados no planejamento e na execução.

Com o material obtido por meio de foto ou vídeo realizado por VANTs, arquitetos e engenheiros conseguem criar maquetes eletrônicas 3D e fazer simulações bastante realistas da proposta. Essas representações podem ser compartilhadas com os clientes para que saibam como ficará o projeto.

6. Monitoramento de equipes

Cuidar da segurança dos operários é fundamental para evitar acidentes. Mas nem sempre é possível garantir que os trabalhadores farão uso dos EPIs ou que determinada estrutura da construção será executada corretamente. Para evitar riscos, muitas construtoras contratam times de supervisores.

A vantagem do drone está na possibilidade de monitorar equipes inteiras sem alto custo operacional. É possível combinar dois ou mais equipamentos para verificar se os trabalhadores estão cumprindo o cronograma, além de analisar se o canteiro está seguro, limpo e organizado.

7. Geração de material publicitário

Além de facilitar a montagem de simulações, um drone também é útil na hora de produzir material publicitário para a venda de empreendimentos prontos. O equipamento gera fotos e vídeos de qualidade que substituem qualquer câmera profissional.

As imagens capturadas podem servir de base para a montagem de materiais gráficos bastante detalhados. Assim, fica fácil encantar o público com portfólios completos que contenham amostras do entorno de um novo condomínio, a visão geral de um bairro ou a vista real de uma varanda de apartamento.

Restrições de uso

Com tantas aplicações positivas, a tendência é que o uso de drones na construção civil continue crescendo. Porém, como toda atividade profissional, é preciso garantir que a operação seja segura e não cause prejuízos a terceiros.

Em todo caso, vale treinar uma equipe para utilizar o equipamento com base nas funções e responsabilidades delegadas. Também é fundamental conhecer e cumprir as regras definidas pela Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC), que afirmam:

  • a operação de drones é exclusiva para maiores de idade;

  • o equipamento não pode ser mantido a uma distância menor que 30 metros horizontais de pessoas não envolvidas na operação (ou sem a autorização delas);

  • os modelos com mais de 250 g devem ser cadastrados no Sistema de Aeronaves Não Tripuladas.

O profissional que seguir as normas e preparar pessoas para operar os equipamentos desfrutará de vários benefícios: a possibilidade de minimizar riscos, de trabalhar com segurança e de aproveitar todas as aplicações dos drones na construção civil.

E você, o que achou das formas de usar essa tecnologia? Acredita que ela pode contribuir com outros processos? Comente e compartilhe a sua opinião com os leitores!

Saiba por que você deveria usar concreto sustentável nas obras

Saiba por que você deveria usar concreto sustentável nas obras

Empresas e profissionais de engenharia sempre estão em busca de soluções que permitam minimizar custos sem interferir nos lucros e na produtividade. O cuidado com o meio ambiente também figura entre as preocupações e se reflete na produção cada vez maior de uma arquitetura baseada no conceito de sustentabilidade.

Já faz um tempo que os projetos verdes vêm se destacando entre as novidades na construção civil. Isso porque resultam em obras mais limpas e eficientes a partir do uso de matérias-primas diferenciadas, como é o caso do concreto sustentável — também chamado de ecológico.

No entanto, se você nunca ouviu falar desse material e quer aprofundar seus conhecimentos, acompanhe as informações deste artigo. Vamos abordar suas aplicações, vantagens e diferenças em relação ao concreto convencional.

O que é concreto sustentável?

É um material produzido a partir de materiais reciclados e de resíduos sólidos industriais. Bons exemplos são a areia reaproveitada de fundição (com escória), pneus velhos triturados e a sílica da casca de arroz.

Portanto, a principal diferença desse concreto para os demais está na composição. Enquanto os blocos tradicionais levam areia, cimento, pedra e água, o modelo sustentável consegue economizar 100% de recursos naturais.

A novidade foi desenvolvida no Instituto de Arquitetura e Urbanismo (IAU) da Universidade de São Paulo (USP), em São Carlos. O responsável pela criação e experimentação do material foi o engenheiro elétrico e professor Dr. Javier Mazariegos Pablos.

Segundo o profissional, o concreto ecológico contribui para uma construção sustentável porque reduz consideravelmente o uso de água. Também substitui toda a pedra por escória de aciaria e até 70% da areia natural por areia de fundição — comumente empregada para a produção de moldes de componentes metálicos.

Quais são as aplicações do material?

Por se tratar de um material relativamente novo, o concreto sustentável não pode ser utilizado para fins estruturais. Isso porque não é tão resistente quanto as versões convencionais, exigindo, portanto, mais alguns anos de observação.

Sua aplicação é indicada para lugares onde há baixo impacto. Assim, é possível empregá-lo na pavimentação de ruas, na construção de calçadas, na criação de peças para usar em guias e até na elaboração de mobiliário urbano.

Em resumo, o concreto sustentável pode ser o material de construção mais adequado para compor superfícies e elementos que não demandam uma resistência tão elevada quanto as casas e edifícios.

Ainda que os profissionais não tenham certeza sobre o período de vida útil do novo produto, a qualidade do concreto ecológico vem sendo comprovada. Em alguns testes comparativos, foi possível alcançar quase 60 MPa de resistência.

Assim, enquanto não é liberado para a construção de estruturas maiores — geralmente, são necessários 20 anos de acompanhamento para certificar a durabilidade desse tipo de material —, vale tirar proveito do produto nas técnicas citadas.

Por que utilizar o concreto sustentável?

Mesmo que tenha aplicações limitadas, esse tipo de concreto pode ser bastante útil em projetos comerciais ou residenciais. Por ser ecológico, seus benefícios se estendem a diversos públicos.

Veja, a seguir, bons motivos para adotar esse material em suas obras.

Redução de gastos

Uma das principais vantagens de trabalhar com o concreto sustentável é poder economizar na produção e na utilização do produto. Como dito, sua composição envolve, basicamente, dejetos industriais que seriam despejados no meio ambiente.

Essa reciclagem de recursos faz bem não só ao ecossistema, como também às finanças das empresas responsáveis pelos projetos. Afinal, não é preciso comprar matéria-prima porque recursos como a areia de fundição são doados pelas fábricas — o descarte mensal desse tipo de resíduo pode chegar a 400 toneladas.

Diminuição do descarte

O concreto convencional envolve a remoção de areia da natureza, processo que pode causar erosão, assoreamento e outros danos. Além disso, gera muito lixo durante a produção dos blocos, exigindo gastos com o descarte correto.

Com o concreto sustentável a matéria-prima é melhor aproveitada, eliminando, assim, as preocupações com os rejeitos. Optar por esse material também evita que as fábricas precisem depositar seus resíduos em aterros industriais que cobram para isso. Nesse caso, o ganho financeiro ocorre em ambos os lados.

Eliminação do lixo

Buscar formas de diminuir resíduos é um dos desafios de quem trabalha com a construção civil. O concreto ecológico se destaca porque, além de não gerar resíduos, reaproveita o lixo que poderia contaminar o solo e as fontes de água doce.

Quanto menos detritos oriundos da indústria estiverem presentes na natureza, mais protegidos estarão os animais, as plantas e as pessoas. Ou seja, produzir esse material é uma forma de estimular a reciclagem e contribuir para um planeta mais limpo.

Facilidade de obtenção da matéria-prima

Inúmeras fábricas precisam lidar com seus próprios resíduos, portanto, obter os recursos necessários para a produção do concreto sustentável não é nenhum problema. Com economia na aquisição das matérias-primas, é possível, inclusive, fornecer um produto mais barato que os concretos convencionais.

Como pôde ver, os gastos são bastante reduzidos em todos os processos relacionados ao material ecológico. Entre os principais custos está o transporte necessário para levar os componentes até os canteiros de obras.

Respeito ao meio ambiente

Essa vantagem é resultado das anteriores e um dos principais motivos para que profissionais passem a investir no concreto ecológico. Com o mercado voltado para a onda eco-friendly, que valoriza projetos baseados no conceito de sustentabilidade, nada mais inteligente que transformar esse produto em um diferencial.

A escolha da versão sustentável é benéfica para a natureza, para as instituições envolvidas na coleta de materiais, para as construtoras e incorporadores e, claro, para a população em geral — que só tem a ganhar com a redução dos impactos.

Com o tempo, será possível aprimorar o material e empregá-lo em diferentes soluções construtivas. Inclusive, uma publicação recente no jornal da USP afirma que sua produção avança em São Carlos.

Como os estudos sobre o concreto sustentável não param, a tendência é que o material passe a fazer parte do dia a dia de diversas empresas e profissionais, em especial aqueles que querem atuar com responsabilidade social sem perder qualidade nas obras.

Quer acompanhar mais publicações semelhantes? Então curta agora as nossas páginas nas redes sociais: Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.

Já ouviu falar em cumeeira? Entenda agora o papel dela no telhado

Já ouviu falar em cumeeira? Entenda agora o papel dela no telhado

Você já ouviu falar em cumeeira? Se sim, sabe explicar claramente o que é e até mesmo identificar e diferenciá-la de outras partes? Ou então, conhece os principais tipos e os motivos pelos quais ela é fundamental na estruturação de um telhado?

A cumeeira é um componente da estrutura do telhado que pode impedir alguns problemas como a infiltração.  Por outro lado aumenta a durabilidade do telhado e por consequência, da edificação também. 

Se a resposta para alguma dessas perguntas foi não, então você precisa ler esse texto, pois nele você saberá, de uma vez por todas, as respostas para todas essas questões. Continue a leitura e não perca!

O que é cumeeira?

O telhado é composto por componentes estruturais — tesouras, ripas e caibros —, por componentes de cobertura — telhas, calhas, coletores e rufos — e pelas demais peças e materiais utilizados externamente, que auxiliam no escoamento da água.

Os telhados protegem as edificações das intempéries e ação de agentes externos, evitando entrada de animais, pessoas, chuva, raios ultravioletas, isolando termicamente e também apresentando função estética — na grande maioria das edificações. Entretanto, para que o telhado seja capaz de realizar todas essas funções, a cumeeira precisa estar presente.

A cumeeira é uma peça responsável por fazer a cobertura da junção na parte superior de duas águas de um telhado — que são as partes inclinadas, sendo a mais alta do telhado e um complemento ao mesmo. A cumeeira é onde a maior viga que une os vértices da tesoura está e onde os caibros da estrutura da cobertura estão apoiados.

Em resumo, a cumeeira é uma telha com formato diferenciado e especial, parecida com uma capa, que é capaz de fazer a cobertura do vão que é formado no encontro das águas de um telhado. A quantidade de cumeeiras depende do formato do telhado e da quantidade de águas.

Como a junção dessas telhas não apresenta um acabamento ideal, a cumeeira é responsável justamente por promover esse acabamento, impedindo que existam buracos na cobertura e protegendo a estrutura do telhado e a edificação apropriadamente.

Quais são os tipos de cumeeira?

Existem diversos tipos de cumeeiras, podendo ser tanto cerâmicas quanto metálicas, de concreto, PVC, barro, entre outros materiais. Além da diversidade, também existem variados modelos que devem ser escolhidos de acordo com o telhado construído, acabamento desejado, recursos disponíveis e necessidades da obra.

Veja um pouco mais sobre isso a seguir.

Shed dentada

Shed é um termo inglês que pode ser traduzido ao português como alpendre. A instalação desse tipo de cumeeira se dá por meio da fixação entre a parte superior da edificação e a lateral da mesma. Como é dentada, é capaz de se adaptar às curvaturas das telhas.

Lisa dentada

Essa cumeeira é colocada no topo do telhado e, como apresenta dentes, se encaixa nos espaços inferiores de cada telha.

Lisa

É aplicada no topo do telhado, na junção entre as duas águas, e apresenta um formato capaz de se adaptar a qualquer tipo de telha, podendo ser posicionada no telhado, sobre elas, pois consegue transpor qualquer tipo de ondulação.

Shed lisa

Esse tipo de cumeeira é usado quando se deseja descrever telhados em forma de serra, como os utilizados em fábricas e galpões. Essa cumeeira também é aplicada na junção entre o telhado e a estrutura lateral.

Perfil

Essa cumeeira também é colocada no topo da construção, no ponto mais alto — na junção de duas águas, assim como a lisa. Apresenta um formato ondulado que encaixa de forma perfeita nas telhas de especificação semelhante.

Terminal de cumeeira

Essa é uma peça que não é um tipo de cumeeira, mas é importante ser especificada, pois é muito utilizada quando um melhor acabamento estético durante a colocação da cumeeira e construção do telhado é desejado.

Por que a cumeeira é fundamental para a estruturação do telhado?

Veja, agora, os motivos de uma cumeeira ser essencial para a montagem e estruturação de um telhado.

Melhora o conforto térmico da edificação

Cerca de 70% do calor que entra em um imóvel é proveniente dos raios solares. Esses raios incidem pela cobertura e quanto maiores forem as brechas e frestas, maior será a entrada de raios e, consequentemente, a elevação da temperatura.

Como a cumeeira fecha a junção entre as águas do telhado, ela impede que essa grande linha se torne uma porta aos raios solares. Dessa forma, a edificação mantém uma temperatura mais amena e agradável.

Evita infiltrações, inundações e alagamentos

Como a cumeeira tampa a fresta existente entre a junção das águas do telhado, ela impede que, durante chuvas torrenciais ou em períodos extensos, a água entre, provocando infiltrações ou até mesmo inundações ou alagamentos.

Reforça a estrutura do telhado

Em geral, grande parte dos telhados são estruturados com materiais, como madeira e estruturas metálicas, que não podem ficar em contato constante com a água e demais agentes, como os raios solares.

A cumeeira protege essa estrutura de forma que não fique exposta, colaborando para uma maior durabilidade da cobertura e, consequentemente, da edificação como um todo — uma vez que, com essa proteção, não ocorrerão algumas das manifestações patológicas e danos na estrutura ou nos materiais de revestimento.

Proporciona maior segurança

A cumeeira também possibilita maior segurança, pois impede que ocorra a entrada de animais por meio da abertura que antes existia.

Promove redução no custo

O uso de peças próprias de cumeeira favorece a redução no custo, tanto por facilitar a execução da cobertura quanto por evitar a existência de frestas e brechas para a entrada de infiltração, danificando a estrutura do telhado e também a edificação.

Além disso, promove redução no consumo de energia elétrica, uma vez que, conforme já citado, contribui para o conforto térmico da edificação.

Qual a importância de uma empresa especializada para a qualidade no canteiro de obras?

Como você viu, o telhado é muito importante para uma edificação, tanto em aspectos funcionais quanto em relação ao bem-estar, saúde, conforto e estética. Porém, para que esses benefícios sejam colhidos completamente, é essencial que os materiais utilizados sejam de qualidade, a fim de obter segurança, durabilidade e consequente custo-benefício.

Para isso, é essencial contar com telhas de qualidade, uma vez que essas são a parte mais exposta a intempéries e agentes externos degradantes em um telhado e que, se danificadas, podem gerar prejuízos significativos em caso de danos na estrutura e na edificação em geral.

Assim como as telhas devem ser de qualidade, optar por uma cumeeira que é feita da mesma forma é essencial. Por isso, conheça as opções da Regional Telhas — fabricante especializado nesse e em outros materiais desse tipo para obras.