fbpx
Você conhece as vantagens da cobertura metálica?

Você conhece as vantagens da cobertura metálica?

Para quem trabalha com obras é comum que já tenha observado um número cada vez maior de empreendimentos que estão utilizando o aço em vez de outros tipos de material para construção do telhado. Essa mudança se deve principalmente às vantagens da cobertura metálica em relação a qualquer outro tipo.

Hoje, muitas obras podem utilizar esse material na hora de construir, mas é preciso estar atento à qualidade de seu fornecedor na hora de adquirir coberturas metálicas, além de verificar as demandas da obra.

Para mostrar-lhe o que é, e todas as vantagens da cobertura metálica criamos este post. Ao final, vamos falar também sobre como contratar alguém especializado no assunto. Confira!

Cobertura metálica

Existem diversas técnicas de construção quando falamos em coberturas, no entanto, uma vem se destacando: o uso de coberturas metálicas. Diferente de outros processos, essa técnica é muito mais rápida e dinâmica.

São vários os tipos de aço que podem ser empregados para a fabricação das telhas metálicas. Entre eles estão:

  • galvalume — sua composição é uma combinação entre alumínio e zinco;
     
  • galvanizado — fabricado por meio da fusão eletrolítica do zinco e do ferro pela imersão do aço em banhos de zinco;
     
  • alumínio — produzido por reações químicas do minério bauxita.

As telhas podem ser feitas no material natural ou contando com um processo de pré e pós-pintura, melhorando o desempenho estético e aumentando em 10% a vida útil da telha.

Principais vantagens da cobertura metálica

Optar por utilizar uma cobertura metálica em uma edificação pode trazer uma série de vantagens, não apenas durante a construção do empreendimento, mas também após sua entrega. Vamos conferir algumas delas.

1. Racionalização de materiais e mão de obra

A maioria das técnicas de construção são muito dispendiosas e o que costumamos ver são caminhões de entulho saindo do local todos os dias. Isso sem falar no alto número de colaboradores necessários para a construção de coberturas.

As peças para a cobertura metálica, telhas e estrutura, são construídas com uma precisão milimétrica na indústria e encaminhadas para a obra apenas para a instalação, garantindo que não haverá desperdício e serão necessários menos funcionários para realizar a montagem das peças e das telhas.

2. Flexibilidade

Diferentemente de qualquer outra técnica de cobertura, na qual o telhado deve ter um desenho específico para que se adeque à realidade do material, as telhas metálicas podem se adaptar de modo flexível ao projeto.

A fabricação das coberturas metálicas podem ser realizadas de acordo com a demanda do cliente. Os modelos trapezoidais e ondulados podem ser produzidos e entregues com até 12 metros de comprimento cada folha e no modelo de cobertura zipada. As telhas são produzidas a partir de medidas especiais direto na obra, garantindo assim uma melhor adaptação ao projeto.

3. Compatibilidade

Independentemente do tipo de material utilizado para construir a estrutura da edificação, a cobertura metálica poderá ser instalada facilmente em diferentes tipos de base, como madeira e perfil metálico.

4. Menor prazo de execução

Com prazos de entrega cada vez mais apertados e planejamentos que exigem uma maior agilidade da equipe na obra, cumprir a entrega de uma edificação virou um grande desafio.

Dependendo do material escolhido para realizar a cobertura de uma obra, a finalização desse processo pode ser bem demorado. Contudo, ao utilizar as telhas metálicas existe um ganho de agilidade, uma vez que basta fixá-las de modo simples, limpo e rápido.

5. Garantia de qualidade

No mercado, hoje, é possível encontrar fornecedores de telhas metálicas que contam com certificações de qualidade que atestam o produto entregue e garantem que o material suprirá todas as necessidades da obra.

Por conta disso, existe mais segurança de que a construção cumprirá o seu papel e que não haverá nenhum tipo de problema posterior, como a necessidade de substituição.

Para garantir a confiabilidade das coberturas metálicas ofertadas pelo seu fornecedor você pode verificar se ele conta com as certificações de qualidade emitidas pela ABNT exclusivamente para esse fim. São elas a NBR14513 e a NBR14514.

6. Maior área útil

Outra vantagem do uso da cobertura metálica sobre outros tipos de materiais, é a área útil coberta pelas telhas. Uma única peça ou folha pode cobrir vários metros da estrutura.

7. Reaproveitamento

Se, em determinado momento do futuro, a estrutura precisar ser derrubada por qualquer motivo, a cobertura metálica poderá ser retirada e utilizada em outra obra. Isso é possível graças à durabilidade e flexibilidade do material.

8. Facilidade de reposição

Um ponto muito interessante para o cliente da obra e que usufruirá da cobertura depois de instalada é a facilidade de reposição de qualquer uma das folhas que compõe a estrutura.

Caso seja necessária a manutenção, por conta de qualquer evento que venha a danificar uma das telhas, basta retirar a fixação — realizada por parafusos — e instalar uma nova folha no local de forma simples e rápida.

9. Redução de custos

Com a utilização de telhas metálicas em uma determinada obra, espera-se uma redução geral de custos. Não se deve levar em conta apenas o valor investido na aquisição do material de cobertura, mas todos os valores envolvidos.

Por exemplo, ao utilizar telhas metálicas, haverá menos desperdício durante a execução da obra, menor tempo para a entrega e necessidade de menos mão de obra no empreendimento.

Além disso, trata-se de um produto mais leve, o que minimiza a carga sobre as fundações. Ou seja, podem ser gastos menos materiais para a construção das bases e estrutura, o que também se transforma em economia, demonstrando que uma cobertura metálica é um ótimo negócio.

Importância de contratar uma empresa especializada

É possível encontrar coberturas metálicas à venda em diversas empresas de material de construção e essas peças podem ser adquiridas facilmente e empregadas em sua obra.

No entanto, os profissionais de uma loja muitas vezes não têm o treinamento ou o conhecimento adequado sobre essas estruturas para informar-lhe qual o melhor tipo de telha a ser utilizada. Devem ser levados em consideração diversos aspectos da obra, como local onde se encontra, tamanho da obra, tipo de clima, entre outros.

Apenas uma empresa especializada na fabricação e distribuição de telhas metálicas poderá dispor de profissionais com o conhecimento necessário para responder a todos esses questionamentos.

Chegamos ao final de nosso post e esperamos que você tenha percebido as vantagens da cobertura metálica e a importância de contar com profissionais especializados para melhor atender a todas as suas demandas.

Ficou interessado em utilizar telhas de metal em sua próxima obra? Restou alguma dúvida? Entre em contato conosco agora e nossa equipe terá prazer em responder a todos os seus questionamentos!

Como fazer um planejamento de obras eficiente em 6 passos

Como fazer um planejamento de obras eficiente em 6 passos

O planejamento de obras é uma das etapas mais importantes de uma construção, sendo considerada fundamental para o sucesso de um empreendimento. A maioria dos profissionais da construção civil tem ciência dessa importância, mas poucos dão a devida atenção a esse processo.

Não é raro encontrarmos obras atrasadas, orçamentos estourados e outros problemas oriundos do não planejamento das atividades, principalmente em obras públicas. No Brasil, apenas 20% do tempo total da obra é destinado ao planejamento. Nosso costume é planejar até certo ponto e, depois, improvisar na medida em que o projeto vai se desenvolvendo.

É importante ressaltar que o planejamento de obras é fundamental para o processo de análise de riscos, identificando as principais ameaças e oportunidades em um projeto. Além disso, os profissionais terão uma visão real da obra, simplificando a tomada de decisão e deixando mais fácil a delegação de tarefas e a atribuição de responsabilidades.

Interessou-se pelo assunto? Então, continue a leitura deste artigo e veja como fazer um planejamento de obras eficiente em 6 passos. Não perca essa oportunidade.

1. Realize um estudo de viabilidade

A primeira etapa a ser realizada é um estudo de viabilidade, que é responsável por verificar se a empresa terá recursos financeiros suficientes para arcar com os custos operacionais do empreendimento.

Em caso positivo, será preciso avaliar os benefícios que o projeto trará para a companhia, ou seja, qual o lucro do empreendimento e em quanto tempo haverá o retorno sobre o investimento.

A melhor maneira de realizar um estudo de viabilidade se dá por meio de uma análise criteriosa dos custos do projeto a ser implantado, do fluxo de caixa da empresa nesse momento e da situação econômica do mercado. Se todas as opções forem favoráveis, a chance de sucesso do empreendimento é grande!

Obviamente, quanto mais informações se tiver sobre o empreendimento, mais completa e fidedigna será a análise de viabilidade. Assim, procure analisar os projetos, as memórias descritivas e todos os documentos da construção. Veja, a seguir, algumas informações que podem ser importantes:

  • custos com projetos (arquitetônico, estrutural, instalações);
  • lista de equipamentos e ferramentas que serão utilizados;
  • custos de cada uma das etapas (fundação, alvenaria, instalações elétricas e hidráulicas, acabamentos, entre outros);
  • custos de contratação de mão de obra ou de terceirização dos serviços;
  • custos com regularização e licenciamento;
  • cronograma de obra;
  • BDI (Benefícios e Despesas Indiretas);
  • ROI (Retorno sobre o Investimento).

2. Estabeleça um orçamento

O orçamento é considerado a etapa mais importante de um planejamento de obras. O cálculo da estimativa de custo do empreendimento pode ser realizado por meio de planilhas de Excel ou com o uso de softwares especializados.

Independentemente do meio escolhido, é preciso prestar muita atenção em cada uma das atividades. Um erro de cálculo ou um orçamento incompleto pode gerar prejuízos incalculáveis para uma empresa.

Para estabelecer um orçamento completo, deve-se levar em consideração, entre outras coisas, a qualidade dos materiais a serem utilizados, principalmente na fase de acabamento. Um prédio de alto luxo possui itens extremamente mais caros que um prédio construído para as classes C e D.

A mão de obra também deve ser levada em consideração, pensando no prazo estipulado para a construção e, assim, definindo a quantidade de profissionais a serem alocados em cada função.

3. Crie um cronograma

Agora que você já verificou a viabilidade da construção do empreendimento e estabeleceu um orçamento completo, é dado início ao planejamento de cada uma das tarefas para a execução do empreendimento.

O cronograma nada mais é do que um passo a passo da obra, contendo todas as atividades a serem realizadas, os recursos a serem utilizados e o tempo levado para executá-las.

Um cronograma ideal é capaz de mostrar por onde se deve começar cada uma das etapas, além da ordem de execução e a conclusão dos serviços. Não podemos nos esquecer da simultaneidade de atividades, que são tarefas que podem ser executadas em conjunto, de modo que uma não interfere na outra.

Dessa maneira, torna-se viável identificar pontos que merecem maior atenção e serviços que exigem um cuidado maior e/ou necessitam de profissionais qualificados e especializados.

O padrão utilizado na maioria das obras é a escolha de um cronograma físico-financeiro, que alia a execução das etapas da obra com o custo de cada uma delas. Esse documento é essencial para mostrar aos executores o custo mensal, melhorando o controle do fluxo de caixa e a previsibilidade de gastos do empreendimento.

4. Faça a regularização

Outra atividade pertencente ao planejamento de obras é a regularização do empreendimento. Como já era de se esperar, o processo é burocrático e, se não for feito com antecedência, pode atrasar o início das atividades, gerando custos extras.

Uma obra regularizada é importante para que a empresa executora esteja dentro das leis, evitando o recebimento de multas e notificações. Para tanto, verifique o que é exigido no canteiro de obras, como placa indicativa do RT (Responsável Técnico), espaço adequado para almoxarifado, cercamento com tapume, entre outros.

É fundamental prestar atenção em alguns pontos. Veja:

  • matrícula do imóvel;
  • projeto arquitetônico;
  • alvará de construção;
  • ART (Anotação de Responsabilidade Técnica);
  • CND (Certidão Negativa de Débito);
  • AVCB (Auto de Vistoria do Corpo de Bombeiros);
  • Habite-se;
  • registro do imóvel.

5. Ajuste os prazos

O andamento das atividades exige que o profissional responsável pela execução ajuste os prazos. Obviamente, um bom planejamento de obras não exigirá muitas mudanças e muitas revisões.

Entretanto, imprevistos podem acontecer e, quando se perceber que o previsto está longe do realizado, é preciso reformulações e adaptações. Ajustar os prazos é essencial para a criação de um planejamento mais eficaz e preciso.

6. Preste atenção no acabamento

O acabamento também deve ser considerado no planejamento de obras. E não estamos falando apenas das atividades finais de execução do empreendimento, mas de toda a papelada necessária para o licenciamento e a entrega do imóvel.

Assim, é preciso verificar os alvarás sanitários, o Habite-se e outros documentos. A entrega do imóvel para o cliente também deve ser planejada, marcando uma data e um horário certos para a vistoria e entrega das chaves.

É válido destacar que a entrega das chaves é um momento especial dos futuros moradores. Então, planeje com muito cuidado essa etapa, garantindo que tudo esteja em ordem e que o cliente se sentirá o mais privilegiado possível.

Não se esqueça de entregar o Manual do Proprietário de Imóveis, documento essencial para que os usuários da nova edificação possam saber como conservar e cuidar do bem adquirido.

Como você pôde perceber ao longo deste artigo, a etapa de planejamento de obras é essencial para o sucesso de um empreendimento. Essa é a única maneira de garantir que a execução de uma construção ocorra sem nenhum tipo de improviso, do primeiro dia ao último. Afinal, o planejamento é responsável por manter os imprevistos e o caos de obras sob controle. Pense nisso!

E aí, gostou do nosso artigo? O que achou das informações que destacamos sobre o planejamento de obras? Foram interessantes? Deseja se manter informado sobre esse assunto? Então, curta nossa página no Facebook e nos siga no Twitter. Estamos te esperando!

Aprenda 9 dicas para melhorar o orçamento de uma obra!

Aprenda 9 dicas para melhorar o orçamento de uma obra!

Trabalhar mais tempo no planejamento de um projeto é atividade primordial para que o objetivo seja alcançado. Em um orçamento de obras não é diferente. Para que a entrega final cumpra com o esperado e todos sejam beneficiados, conhecer e desenvolver um orçamento corretamente é fundamental.

O responsável pela confecção de orçamento de obras — geralmente um orçamentista — precisa estar atento a muitos detalhes: prazo de entrega dos materiais e da obra, quantidade necessária de insumos e mão de obra, quais materiais comprar com base no nível de estoque e os impostos atrelados ao projeto, são alguns exemplos.

Para mostrar que o processo de confecção de um orçamento não precisa ser complexo, separamos abaixo 9 dicas do que levar em consideração para melhorar o orçamento de obras que você desenvolve. Veja também os riscos e a importância de fazer um orçamento confiável!

Qual a importância de fazer um orçamento de obras?

Normalmente, os erros no cálculo de custos diretos e indiretos de uma obra geram muitos problemas, principalmente depois que o material já foi solicitado e a obra começou.

Um orçamento confiável reflete a realidade, primando pela redução de custos sem afetar a qualidade do serviço e a maximização do lucro sem superfaturar a obra.

Um orçamento de obras eficiente deve levar em consideração diversos aspectos internos e externos à obra para que o objetivo do projeto seja alcançado. É de responsabilidade do engenheiro a elaboração dessa peça técnica que determina como e quais recursos serão utilizados.

Quais problemas um orçamento impreciso pode trazer?

A lista de infortúnios é imensa, mas o orçamento errado prejudica principalmente:

  • o não cumprimento dos prazos acordados entre cliente e construtora;
  • prejuízo financeiro por necessidade de desembolso maior do que o previsto;
  • abandono de obra em virtude da falta de verba;
  • má qualidade ao comprar, observando somente o preço, materiais de características inferiores;
  • baixo poder de barganha frente ao fornecedor pela falta de outras opções de orçamentos.

Quais dicas ajudam a melhorar o orçamento de obras?

1. Planeje

Esta é a fase preliminar no processo de orçamentação. Apesar de ser responsabilidade do orçamentista, o planejamento deve levar em consideração a participação de outros membros da equipe, já que cada um tem a sua especialidade e visão sobre a obra.

A utilização da tabela SINAPI (Sistema Nacional de Pesquisa de Custos e Índices da Construção Civil) auxilia o responsável a pesquisar os custos dos insumos — equipamentos e materiais — e serviços utilizados em obras. É uma fonte confiável, já que é atualizada todo mês pelo IBGE e Caixa Econômica Federal.

Mesmo que o planejamento seja adotado, lembre-se que é necessário adaptar-se à realidade. Por isso é de suma importância que também seja definido o valor disponível para gastar na obra. Ou seja, se você verificar que o orçamento precisa ser atualizado com a obra já em andamento, revise-o.

2. Conheça o local

Fazer uma visita in loco vai possibilitar um novo olhar sobre a obra, permitindo que detalhes sejam vistos e necessidades sejam incluídas no orçamento. Faça um checklist para verificar as condições de nivelamento e ventilação do terreno, tipo de solo e localização do lençol freático. Assim, será possível identificar se há aclive ou declive, quais as condições necessárias à fundação e profundidade até o lençol freático, respectivamente.

Você já pensou no tamanho do problema em não considerar os impactos que a obra pode causar aos vizinhos ou quais são as condições para armazenar os materiais que precisam ser estocados?

3. Acompanhe o mercado

Estar de olho nas tendências do mercado coloca você à frente e possibilita que esteja atualizado na hora de fazer o orçamento. Os P&Ds na área de engenharia lançam ao mercado, de tempos em tempos, as inovações tecnológicas. Para a composição do orçamento, a própria tabela SINAPI permite o conhecimento dos produtos disponíveis.

A velocidade das mudanças no mundo de hoje é enorme e, frequentemente, os equipamentos se tornam obsoletos. Esteja atento à qualidade dos materiais e ao comportamento dos seus fornecedores. Opte por empresas que se atualizam frequentemente e tenham prazos de entrega ideais e compatíveis às suas necessidades. Ao manter um bom relacionamento, se houver alguma necessidade não prevista, você conseguirá resolver mais facilmente.

Outro ponto relevante são as constantes alterações em leis de cunho ambiental e trabalhista. A substituição de materiais prejudiciais ao meio ambiente, as iniciativas de reflorestamento e adequação dos equipamentos de proteção individual (EPIs) são alguns exemplos de como o mercado está em constante movimento.

4. Conheça as especificações técnicas dos insumos

Para fazer um orçamento fidedigno às necessidades da obra, a qualidade do material a ser utilizado deve ser levada em consideração no momento da composição do orçamento. Além de garantir que a empresa preze pelo bom atendimento e qualidade, os efeitos negativos e tempos de prevenção e manutenção se tornam menores.

Como os materiais são utilizados em ambientes com características distintas, busque manter-se atualizado sobre as informações técnicas dos insumos. No caso de telhas metálicas, por exemplo, as de natureza simples podem receber acabamentos superficiais (pós ou pré-pintadas), as termoacústicas possuem material isolante em sua composição (EPS/PUR/PIR) e as zipadas são ideais para cobertura de lugares amplos e com pouca inclinação.

5. Faça um levantamento e detalhe todos os custos

Ao levantar os custos necessários à obra, a dica é sinalizar todas as quantidades de materiais e equipamentos que serão utilizados direta ou indiretamente. Caso seja fechada com uma construtora, tente sempre acompanhar o prazo da obra. Se for fechada com uma equipe própria de operadores, atente-se às informações de folha de pagamento e dos encargos trabalhistas e todos os custos indiretos que incorrem da obra (gasto com a equipe administrativa, por exemplo).

A hipótese de trabalhar com cenários é válida e serve para orientar o desenvolvimento em múltiplas situações. Os cenários possíveis são: pessimista, realista e otimista.

6. Use valores de referência atualizados por região

Mesmo que um produto esteja “mais em conta”, veja se o preço a ser pago pelo frete compensará a aquisição com aquele fornecedor. Os impostos municipais e estaduais também são diferentes de região para região.

O correto para não errar no orçamento de obras é considerar os valores por região e atualizá-los constantemente, devido às variações econômicas.

7. Utilize a curva ABC

Com a curva ABC é possível saber quais são os insumos mais importantes do estoque, podendo ser categorizados em uma escala de economia — alta, intermediária e baixa prioridades.

Quando você criar a curva ABC, saberá quais insumos deverá barganhar mais com o fornecedor pelo seu grande apelo monetário.

8. Calcule o BDI no orçamento de obras

O BDI (Benefícios e Despesas Indiretas) influencia diretamente na formação do preço de venda da obra, caso ela seja um empreendimento. Isso porque, como o próprio nome sugere, ele leva em consideração aquelas despesas que não estão diretamente relacionadas à construção da obra. É a parte relativa à administração, gestão, custos financeiros, seguros, tributos, impostos e a margem de lucro que a obra terá.

9. Use a tecnologia a seu favor

Confeccionar orçamento de obras pode ser muito trabalhoso e demandar um tempo enorme na rotina de um engenheiro, mesmo para quem está acostumado a utilizar o Excel. Para melhorar o fluxo das atividades, otimizar o tempo e os recursos disponíveis, além de fazer uma gestão de obras mais eficiente, a utilização de um software é a chave para tornar o processo menos oneroso.

Se a tecnologia escolhida permitir que mais informações sejam anexadas, como fluxo de caixa, lembretes de recebimento de materiais e nível do estoque, a experiência no software fica melhor ainda.

Usando as dicas acima você vai melhorar o orçamento das obras não só por deixar o trabalho mais fluido, mas responsável e de qualidade. A entrega final ao cliente já começa com o pé direito.

Compartilhe este conteúdo em suas redes sociais e divida as dicas com mais profissionais da sua área! Também é uma ótima oportunidade de trocarem uma ideia de como estão realizando orçamento de obras, não acha?

Aço na construção civil: o que você precisa saber sobre isso!

Aço na construção civil: o que você precisa saber sobre isso!

As tendências na construção têm se aprimorado com o objetivo de trazer mais segurança ao trabalho e, principalmente, mais eficiência, rapidez e qualidade nos serviços da construção civil.

Se você deseja reduzir o custo e tempo de execução da sua obra, sem perder o valor, precisa considerar a utilização do aço na construção. Neste artigo, você vai entender tudo sobre esse conceito, assim como as vantagens que ele pode proporcionar. Ficou curioso? Continue a leitura e descubra!

O uso do aço na construção civil

O aço é utilizado na construção civil desde o século XVIII, mas só a partir da criação do concreto armado, no fim do século XIX, é que ele realmente entrou nesse setor com força total. Essa inserção foi o que permitiu a construção de prédios mais altos e obras mais inovadoras. Além disso, deu flexibilidade aos projetos e é sinônimo de inovação e avanço na construção civil.

Hoje em dia, existem diversos tipos de aço com propriedades muito específicas. Esse material também está disponível em diversas formas na indústria siderúrgica, como chapa, tubos, cabos, barras, perfis e telhas metálicas, considerados matéria-prima base na edificação de uma obra.

Também há a possibilidade de combinação do aço com outros tipos de materiais de construção, como no caso do concreto. Isso porque ele oferece diversas vantagens aos engenheiros e arquitetos no planejamento e execução dos seus projetos. Alguns desses benefícios são:

  • a possibilidade de reduzir os custos da obra;
  • contribuir para a preservação do meio ambiente;
  • melhorar o aproveitamento dos espaços;
  • dar mais liberdade para a criação dos projetos.

O aço como forma de reduzir custos da obra

Utilizar o aço na construção civil permite que você reduza os custos da sua obra sem perder em qualidade. Um dos motivos é o fato de ele ser uma material pré-fabricado e com propriedades mecânicas que o torna mais resistente.

Essas características permitem que você utilize menos mão de obra para a montagem de estruturas de aço, quando comparado com a utilização de outros materiais, reduzindo o seu custo com pessoal.

O aço, por ser um material pré-fabricado e reciclável, também permite uma redução dos índices de desperdício, o que gera economia em relação aos materiais utilizados.

O tempo necessário para conclusão da obra diminui, uma vez que, com a utilização de estruturas de aço, diminui o tempo com imprevistos, já que a obra é pré-moldada e chega no local pronta para ser montada.

Dessa forma, o aço se torna um grande aliado da redução de custos, gerando economia de recursos e potencializando os lucros obtidos com a construção.

Vantagens do uso do aço na construção civil

Preservação do meio ambiente

A utilização do aço na construção civil faz com que a sua obra seja menos agressiva ao meio ambiente. Isso porque ele é um material 100% reciclável, podendo ser reutilizado, por exemplo, em usinas para produção de novos materiais siderúrgicos. Também é possível reutilizar as telhas metálicas e, em alguns casos, a estrutura de perfis em outros projetos.

Melhor aproveitamento do espaço

O aço é um material 30% mais leve do que o concreto. Dessa forma, a sua utilização — seja sozinho ou combinado com outros materiais — permite uma redução da carga das fundações.

Com isso, ele permite uma otimização do espaço da sua obra, uma vez que diminui a necessidade de pilares e vigas. Essa característica faz com que o seu projeto ganhe uma maior área útil e se adeque aos padrões arquitetônicos atuais.

Maior liberdade para os projetos

A utilização do aço na construção civil foi o que permitiu projetos inovadores — como é o caso da estrutura do Empire State Building. Nesse edifício, que era o maior dos EUA na época, foram utilizados 60 mil toneladas de aço, principalmente elementos semi-industrializados. Além disso, a grande maioria dos projetos considerados como inovadores e futuristas só foram possíveis devido à utilização do aço, tanto na estrutura quanto no acabamento.

O que levar em consideração na hora de incluir o aço na construção civil

Incluir o aço na sua obra exige um ótimo planejamento prévio para que você possa efetivamente aproveitar todos os benefícios que esse material pode trazer. Para isso, você deve levar em conta alguns aspectos. A seguir, listamos os principais. Acompanhe!

Comportamento estrutural

É preciso que você faça um diagnóstico dos esforços aos quais a sua estrutura estará submetida depois de terminada. Todas as estruturas precisam suportar ventos, por exemplo, e isso se torna ainda mais importante no caso de prédios muito altos.

Portanto, é necessário uma análise cuidadosa sobre o comportamento da sua estrutura de aço e analisar a viabilidade da utilização desse material.

Grau de agressividade

A sua construção precisa resistir às influências ambientais ao longo prazo. Porém, cada tipo de ambiente tem determinado grau de agressividade em diversos aspectos, por isso, existem vários tipos de aço e revestimento resistentes à oxidação, como Aços Inox, Aços Carbono e revestimento metálico e não metálico que protegem o aço dos óxidos.

Baixa manutenção

O aço é uma material altamente resistente com uma durabilidade alta. Quando utilizado corretamente com todos os cuidados recomendados pelo fabricante, pode se tornar um material com vida útil ainda mais longa e com baixa manutenção, em alguns casos necessita apenas de uma simples limpeza ou mesmo uma manutenção nos acessórios utilizados na estrutura, como fixadores, cumeeiras, rufos, por exemplo.

Agora, você percebeu que a utilização do aço na construção civil tem potencial de gerar diversos benefícios para a sua obra, certo? Ele é capaz de reduzir custos, ser menos agressivo com o meio ambiente e otimizar o espaço da construção, podendo ser entregue na obra módulos pré-fabricados, agilizando e facilitando a montagem.

Além disso, esse material traz inovação e agrega valor à sua construção. Considere aumentar a utilização do aço nos seus projetos observando todas as especificidades desse material e aproveite todas as vantagens que essa mudança pode te oferecer!

Quer ter acesso a mais dicas interessantes? Então é só nos seguir nas redes sociais e acompanhar nossas novidades. Estamos no Facebook e Twitter!