fbpx

Estrutura para telhado: aço ou madeira, qual escolher?

Estrutura para telhado: aço ou madeira, qual escolher?

Durante a fase de escolha dos materiais e definição da estrutura para telhado de uma obra, poucas pessoas consideram utilizar a estrutura metálica. Apesar de parecer um pouco diferente, esse tipo de telhado pode ser uma alternativa interessante.

É importante lembrar que o principal objetivo do telhado é proteger uma edificação da ação de intempéries e, ainda, atuar como um regulador térmico dos ambientes. Sendo assim, sua estrutura deve ser capaz de suportar o peso próprio de seus componentes, do revestimento, de materiais de isolamento, de cargas de ventos e dos demais elementos que estejam fixados.

O projeto estrutural pode ser extremamente simples, dependendo de cada caso. Contudo, definir a matéria-prima de execução é fundamental para o empreendimento. Essa escolha pode gerar economia de recursos e, principalmente, de tempo.

Você sabe qual tipo de estrutura para telhado escolher: aço ou madeira? Continue a leitura deste artigo e veja as principais informações sobre cada uma dessas alternativas.

Quais são as principais características do aço?

As estruturas de aço estão começando a ser utilizada no Brasil, e  entre as vantagens destaca-se a rapidez de instalação e a menor geração de resíduos. Esse tipo de estrutura normalmente é produzida em fábricas, necessitando apenas de montagem no canteiro de obras.

Dessa forma, é possível evitar o desperdício de material e, ainda, evidenciar a agilidade do processo. Comparado com a estrutura de madeira, a velocidade de execução do aço chega a ser três vezes maior.

Outro ponto que merece certa atenção em relação às estruturas de aço é o fato de elas contribuírem para o meio ambiente. O seu uso, em detrimento das estruturas de madeira, evita o desmatamento de árvores e, caso aconteça a sobra de materiais, podem ser utilizados para outros fins.

O preço para a fabricação de estruturas de aço está diretamente relacionado com o seu peso. Então, quanto mais leve é a estrutura para as telhas, mais econômica ela é. Por fim, mas não menos importante, esse tipo de estrutura é produzida com precisão milimétrica, ou seja, a tolerância aos erros é baixíssima.

Quais são as vantagens e desvantagens da estrutura de aço?

As estruturas de aço apresentam alguns pontos que merecem o destaque e que, certamente, fazem a diferença na hora de escolher a melhor estrutura para o telhado. É importante evidenciar que esse tipo de estrutura precisa da devida proteção contra ferrugem, garantindo uma vida útil maior. Veja a seguir mais vantagens e desvantagens.

Vantagens da estrutura para telhado de aço

  • peso próprio: a estrutura metálica é mais leve que a de madeira e que a de concreto. Assim, podemos contar com peças mais esbeltas e que sobrecarreguem menos a fundação;
  • prazo de execução: quando os primeiros serviços da obra começarem, a fabricação da estrutura metálica também pode iniciar. Assim, quando chegar o momento certo é preciso apenas instalá-las (por meio de aparafusamento, soldagem ou arrebitamento);
  • organização: o canteiro de obras fica mais organizado, pois as peças são produzidas em fábricas e apenas montadas na obra. Além disso, não há desperdício de materiais;
  • amiga do meio ambiente: além de reduzir o desmatamento, esse tipo de estrutura pode ser desmontada e reaproveitada. É importante lembrar que o aço é 100% reciclável e o desperdício em sua utilização é praticamente zero;
  • garantia de qualidade: como a sua produção é industrial e as fábricas obedecem a controles de qualidade, o produto final dificilmente apresenta grandes problemas;
  • alta resistência contra intempéries.

Desvantagens da estrutura para telhado de aço

  • mão de obra especializada: a escolha do aço para estrutura do seu telhado necessita de mão de obra qualificada, o que pode ser difícil de encontrar no Brasil. Obviamente, essa mão de obra é mais cara quando comparamos com a instalação da estrutura de madeira.
  • desembolso em curto prazo: como a fabricação e a montagem são atividades rápidas, o desembolso com a sua estrutura deve ser feito em um tempo menor, quando se compara com as estruturas de madeira.
  • tratamento: o aço necessita de um tratamento especial com tinta para garantir sua proteção contra corrosão, garantindo a sua durabilidade.

E as características da estrutura de madeira?

A madeira é um dos materiais de construção mais antigos e mais utilizados em todo o mundo. Em quase todas as obras é possível encontrar a aplicação dessa matéria-prima. O seu peso próprio é uma das vantagens, que chega a ser um terço mais leve que as estruturas de aço.

Os custos de mão de obra também não são altos, pois a sua construção é simples, não necessitando de conhecimentos especiais. Já o seu preço pode variar demasiadamente, principalmente por conta da qualidade das peças a serem utilizadas. Sendo assim, seu telhado pode sair caríssimo ou pode ter um preço em conta.

A madeira ainda é amplamente utilizada em estrutura para telhado. Obviamente, é preciso dar o devido tratamento, garantindo a sua durabilidade. Contudo, as recentes preocupações com o meio ambiente e a constante necessidade de diminuir o tempo de construção das edificações está fazendo com que a madeira fique em segundo plano.

Quais são as vantagens e desvantagens da estrutura de madeira?

Assim como as estruturas de aço, as estruturas de madeira apresentam alguns pontos interessantes. Não podemos deixar de mencionar que a madeira está sujeita à ação de cupins, à variação de temperatura e outras interferências. Veja, a seguir, mais vantagens e desvantagens.

Vantagens da estrutura para telhado de madeira

  • disponibilidade: a madeira é um material fácil de ser encontrado e fácil de ser manuseado;
  • as ligações e emendas são simples de serem executadas;
  • a madeira é natural, reaproveitável e renovável;
  • o custo de aquisição e instalação é relativamente baixo;
  • não exige a contratação de mão de obra de alta qualificação;
  • não necessita de equipamentos e ferramentas específicas;

Desvantagens da estrutura para telhado de madeira

  • a madeira é um material orgânico e heterogêneo, ou seja, pode apresentar muita variação entre as peças;
  • a madeira absorve e perde umidade com facilidade;
  • a dilatação e a contração também ocorrem com frequência, permitindo alterações em suas dimensões;
  • é preciso tratá-la contra o ataque de insetos e fungos;
  • é preciso prover um tratamento antichamas;
  • uma viga de madeira exige o corte de uma grande árvore;
  • a sua utilização propicia ações de desmatamento.

Obviamente, a escolha da melhor estrutura para telhado depende de inúmeros fatores. Analisar as vantagens e desvantagens do aço e da madeira é de grande valia para essa definição. É preciso colocar no papel, identificar os pontos mais importantes para a sua obra e, assim, realizar a melhor escolha possível.

E aí, gostou do nosso artigo? O que achou das opções de estrutura para telhado? Costuma se interessar pelo tema? Então curta nossa página no Facebook, siga-nos no Twitter e acompahe todas as nossas postagens!

O que é a tecnologia BIM e por que usá-la nas obras?

O que é a tecnologia BIM e por que usá-la nas obras?

A tecnologia BIM se refere ao método de Building Information Modeling (Modelagem da Informação da Construção). Trata-se de uma grande inovação na hora de projetar estruturas na Construção Civil: um reflexo direto das mudanças trazidas com o advento da Indústria 4.0.

A novidade é responsável pelo aumento da produtividade em projetos construtivos, pela economia de tempo e de recursos, pela promoção de processos mais sustentáveis e por uma maior integração entre diversas etapas da obra. O resultado? Plantas cada vez mais inteligentes e construções com menos erros. Acompanhe!

Entenda o conceito de tecnologia BIM

O conceito de tecnologia BIM torna virtual o planejamento de obra. Nada mais é do que uma maneira eficiente e integrada de realizar a gestão de informações por todo o ciclo de desenvolvimento da planta. Todos os dados são incorporados em um software que compila desde o modelo de edificação até o orçamento da obra.

Dessa forma, além de todas as etapas do projeto ficarem integradas em um único local, as informações são compartilhadas com diferentes profissionais envolvidos na construção. Ou seja, há interações valiosas para o desenvolvimento eficiente da planta, já que arquitetos, projetistas, fornecedores e engenheiros trocam dados em tempo real.

A tecnologia permite a construção de modelos 3D, 4D, 5D e até 6D, dependendo do conjunto de processos e softwares previamente incorporados à estratégia do projeto. Não é à toa que diversos países, como EUA, Inglaterra, Holanda e Finlândia tornaram o BIM obrigatório em obras públicas.

No Brasil, o conceito também está sendo bem recebido e o mercado vem se articulando para adotar a tendência. Em 2007, por exemplo, a Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), em conjunto com a Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI), lançou um catálogo com normas aplicáveis à tecnologia BIM.

Veja os três pilares por trás da tecnologia BIM

A tecnologia BIM é um exemplo muito claro da chegada da Indústria 4.0 na Construção Civil. A 4ª Revolução Industrial traz consigo a conjunção de sistemas digitais e o aprimoramento na coleta e na interpretação de dados. Veja quais são os três pilares dessa inovação!

Multi-informação

A modelagem multi-informacional consiste na criação de modelos com todo o conteúdo gráfico armazenado virtualmente. Mais que isso, todos os dados referentes às diversas etapas do ciclo construtivo ficam localizados na planta, o que inclui custos da obra, negociações com fornecedores, cronogramas de execução etc.

O resultado é um grande banco de dados centralizado em um único local, com acesso facilitado a todos os envolvidos no projeto e com atualizações integradas em tempo real. Essa facilidade só é possível graças ao avanço nos estudos de Big Data, Machine Learning e IoT — importantes bases no novo modelo de indústria.

Interoperabilidade

A interoperabilidade é a comunicação entre sistemas. As máquinas e softwares integrados conseguem transmitir informações de forma instantânea, o que diminui as dificuldades de comunicação entre diferentes áreas do ciclo construtivo. Isso possibilita a realização de alterações no projeto sem maiores empecilhos: a inclusão de novos valores automaticamente remodela todos os outros dados associados.

Cadeia produtiva

O terceiro pilar é a cadeia produtiva, que consiste em um escopo inteligente do processo construtivo. Cada elemento da cadeia repercute o seguinte de modo que o projeto esteja em constante movimentação e em imediato avanço no ciclo de desenvolvimento. A integração entre etapas influencia a qualidade geral da planta.

Saiba como é o processo de tecnologia BIM

Essa importante inovação tecnológica parte do funcionamento de vários níveis de dados ou de desenvolvimento — é o conceito LOD (Level of Development). A partir dele, há um intenso detalhamento dos elementos do projeto, o que ajuda na compreensão das informações da planta.

Todos os níveis de desenvolvimento ficam localizados em um único software, que pode ser utilizado em conjunto com outras ferramentas para a produção de modelos mais elaborados. Alguns dos sistemas mais comuns para a aplicação dos processos BIM são os seguintes:

  • Revit Architecture: desenvolvido pela Autocad/Autodesk, é um dos mais conhecidos softwares em mercado;
  • ArchiCAD: permite a localização do projeto em nuvem, a projeção de grandes obras de forma colaborativa e ainda tem compatibilidade com outros softwares da Valare;
  • Bentley Architecture: com um grau de detalhamento mais aprofundado, esse sistema coordena automaticamente os documentos do projeto e costuma ser utilizado por empresas maiores.

Conheça os benefícios dessa tecnologia para as obras

A essa altura do texto, você provavelmente já notou que o conceito BIM é o futuro chegando na Construção Civil e, junto a ele, todas as vantagens que a tecnologia proporciona em qualquer projeto: eliminação de erros, rapidez de execução e redução de custos. Veja, então, os principais benefícios dessa tendência!

Melhoria na gestão do tempo

A integração entre setores e a comunicação efetiva entre profissionais garante um significativo aumento na produtividade. Com isso, o desenvolvimento do ciclo construtivo sofre grandes otimizações, principalmente no que se refere à gestão do tempo no planejamento da obra.

Redução de erros

O uso de um software para a integração, o tratamento e a transmissão de informações é de grande impacto na redução de erros. Afinal, os dados são compartilhados sem ruídos, de forma instantânea e entre todos os profissionais envolvidos no projeto.

Possibilidade de testar as soluções

A planta digital pode ser constantemente alterada. Como explicamos nos pilares da tecnologia BIM, qualquer alteração de valores é automaticamente utilizada como base para remodelagens em outras etapas, devido à interoperabilidade. Essa facilidade permite a simulação de situações, estratégia capaz até mesmo de prevenir acidentes de trabalho.

Diminuição no desperdício

Os modelos 3D até 6D são muito úteis para vislumbrar todos os aspectos da edificação e avaliar decisões. Dessa forma, é possível identificar pontos de desperdício e promover a diminuição de resíduos. Isso tanto em relação aos recursos físicos, como os insumos da obra, quanto aos recursos imateriais — os fatores humanos e de tempo.

É sempre importante conhecer novas tecnologias para melhorar os processos da empresa, certo? Em especial no setor de Construção Civil, que costuma ficar lado a lado com as principais inovações da indústria. Pois então, a tecnologia BIM é a mais nova sacada: plantas elaboradas virtualmente e com todas as informações necessárias para a construção inteligente.

Você já estava familiarizado com essa tendência? Já conhece algum dos softwares BIM? Deixe um comentário com as suas considerações!

Inclinação de telhado: saiba como deve ser feito o cálculo!

Inclinação de telhado: saiba como deve ser feito o cálculo!

Todas as etapas da construção de uma casa precisam ser feitas com muito planejamento e cautela. Afinal, se um processo for afetado, toda a estrutura poderá ser comprometida. Sendo assim, é fundamental dar atenção especial à inclinação de telhado — visto que essa é uma das partes da residência, que mais ficam expostas às agressões do ambiente externo.

Existem vários pontos importantes na construção do telhado, como a escolha de um material de qualidade, um projeto feito com cuidado para garantir a inclinação correta e a montagem feita de forma satisfatória.

Neste post, abordaremos como é feito o cálculo da inclinação de telhado, qual é a relação desse cálculo com o tipo de telha escolhido e qual é a importância desse fator para o resultado da obra. Acompanhe!

Como escolher o melhor telhado para a minha casa?

O primeiro passo para acertar no telhado é contar com um bom projeto de toda a estrutura. Sendo assim, confie esse trabalho a um profissional especializado, como o engenheiro civil. Depois disso, entra a escolha de qual telha será utilizada. Isso depende do estilo da construção, da inclinação do telhado e também do preço que o morador está disposto a pagar.

Felizmente, existem materiais de boa qualidade e com bom custo-benefício. No entanto, é essencial não atentar-se somente ao preço, pois a construção precisa estar dentro das normas técnicas que garantem a qualidade e durabilidade.

As pessoas que desejam um telhado durável podem optar pela escolha de telhas feitas de concreto ou cerâmica. O concreto é ainda mais resistente, visto que sua impermeabilidade é maior do que a da cerâmica. Nesse caso, alguns fabricantes oferecem até 20 anos de garantia.

Já quem deseja ousar e precisa de versatilidade deve apostar nas telhas metálicas ou de policarbonato: esses materiais são maleáveis e, portanto, admitem curvaturas. Assim é possível garantir um visual moderno à construção. Há modelos mais acessíveis para quem quer economizar, como o fibrocimento e a cerâmica vermelha (romana e portuguesa).

 

Qual é a importância do cálculo de inclinação de telhado?

O telhado de uma residência tem algumas funções importantes, como proteger os moradores do frio e calor excessivos, da poluição, de ventos e, principalmente, da chuva. O cálculo de inclinação de telhado deve ser feito corretamente, porque é esse fator que propicia o escoamento da chuva com segurança — evitando que acúmulos de águas formem goteiras e infiltrações.

Nesse contexto, é fundamental salientar que a umidade favorece o aparecimento de fungos, o que forma mofos nas paredes. Esse é um dos fatores de maior risco para o desenvolvimento de doenças alérgicas e respiratórias. Além disso, goteiras e infiltrações podem causar curto-circuitos no sistema elétrico da residência, colocando a segurança das pessoas em perigo.

É por esse motivo que deve-se contratar um profissional adequado para realizar o cálculo, assim como prestadores de serviço que façam a sua instalação conforme o projeto.

Como o cálculo se relaciona ao tipo de telha escolhido?

O que determina qual será a inclinação do telhado é o tipo do material usado na confecção da telha. Esse produto pode ser feito de cerâmica (mais comumente utilizado), de concreto, metálica, galvanizada, de vidro, ecológica (feita de fibra natural ou material reciclado), de policarbonato, fibrocimento e outros.

O fabricante de cada um desses materiais fornece ao comprador qual é a inclinação mínima e máxima para que a telha e, consequentemente, o telhado funcionem de maneira eficiente no escoamento de chuva. Sendo assim, antes de iniciar o projeto, é essencial obter essa informação do fabricante.

Cada material é indicado para um tipo de obra e, assim, cabe ao engenheiro ou o profissional designado para essa função a escolha do tipo de telha ideal. Outro fator importante é o tamanho da telha: quanto maior ela for, menor será a inclinação necessária para o seu bom funcionamento; e, quanto menor a telha, maior será a inclinação recomendada.

As inclinações mais comuns usadas pelos fabricantes são:​

  • telhas metálicas: mínimo de 3%;
  • telhas de concreto: de 30 a 40%;
  • telhas de cerâmica: de 30 a 40%
  • telhas coloniais/paulistas: mínimo de 30%;
  • telhas francesas: mínimo de 36%.

O cálculo é feito de que forma?

A inclinação dos telhados não é medida em ângulos (º), mas sim em porcentagem (%). Essa é uma forma de facilitar o processo, visto que os cálculos feitos com ângulos estão mais propensos a erros. Quando a inclinação do telhado recomendada pelo fabricante é de 8%, por exemplo, significa que a cada 100 centímetros (ou 1 metro) de estrutura, é necessário que o telhado suba 8 centímetros.

O mesmo vale para outras porcentagens. Ou seja, se a inclinação for de 30%, deve-se subir 30 centímetros de telhado a cada 100 centímetros de estrutura. Outra forma de facilitar o cálculo é utilizar a unidade centímetros. Desse jeito, é possível visualizar com mais simplicidade o aumento da inclinação em relação à obra.

Existe, ainda, outra forma de calcular a inclinação de telhado: feita pela forma de Pitágoras.

I = H x 100 / D

Em que:
I = inclinação do telhado em porcentagem (%)
H = distância ab, em metros
D = distância bc, em metros

Supondo que a distância do telhado seja de 4 metros e a inclinação ideal do telhado seja de 30%, em que H é a altura, teremos:

H = 4 metros X 30% = 1,2 metro

Como visto, a inclinação de telhado é fundamental para evitar goteiras e vazamentos, o que diminuiria a durabilidade da construção civil e também o conforto dos moradores. Apesar de o cálculo da inclinação ser relativamente fácil, a execução do projeto pode ser mais trabalhosa. Sendo assim, não se esqueça de contar com a ajuda de um profissional da área.

E então, entendeu como calcular a inclinação de telhado e qual é a sua importância para uma residência? Você já fez esse tipo de trabalho? Conte a sua experiência para nós no espaço de comentários abaixo!

Afinal, como funciona a pintura em telhas?

Afinal, como funciona a pintura em telhas?

As telhas metálicas são boas alternativas para o seu projeto. Quando são de qualidade, apresentam uma composição de material resistente. Assim, o investimento se torna muito duradouro e traz um bom retorno. Dependendo da escolha, são capazes de oferecer proteção térmica e acústica — dois fatores que aumentam o conforto na edificação. Embora sejam padronizadas, também é possível optar pelas telhas coloridas.

Quer entender como funciona a pintura em telhas e como ela deve ser feita? A seguir, veja o que é mais relevante e aprenda sobre o tema.

A pintura em telhas

Quando não existe nenhuma especificação quanto à cor, as telhas têm um aspecto metálico tradicional. Isso se reflete em peças com aparência natural, em tom de cinza. Em muitos casos, entretanto, esses elementos devem receber uma cobertura com cor especial.

Atualmente, há dois tipos principais de pintura em telhas: os acabamentos pré e pós-pintados. A seguir, veja como funciona cada etapa e tire as suas dúvidas!

Pré-pintura

Nessa fase, as telhas são criadas a partir de grandes bobinas de aço, com o material já pré-pintado. Para que isso seja possível, são aplicadas várias camadas de tinta com a ajuda de uma tecnologia específica.

Tudo começa com a preparação da superfície, que é completamente limpa para facilitar a aderência. Depois, a chapa é coberta por um material conhecido como revestimento químico. Além de ajudar a “fixar” a tinta, também é um jeito de aumentar a proteção contra a corrosão.

Após essa etapa, o material recebe um primer, que é um preparador para os próximos passo. Por fim, há o uso da tinta de acabamento. Em alguns casos, a finalização é feita com a aplicação de um filme de proteção, o que ajuda a dar ainda mais resistência.

Quando esse procedimento é escolhido, há uma gama menor de cores. No entanto, é possível pintar tanto a face de dentro quanto a de fora.

Pós-pintura

Já a pós-pintura é mais versátil e permite, até mesmo, escolher cores personalizadas. Nesse caso, a pintura é aplicada quando as telhas já são fabricadas. Em uma analogia, é como pintar uma parede que já está erguida e com acabamento.

O procedimento é feito por um sistema chamado de eletrostático a pó. E como isso funciona? As pequenas partículas têm uma carga elétrica oposta à chapa. Como acontece com dois ímãs, o produto colorido “gruda” na telha de forma definitiva.

Em seguida, é realizado um processo de cura. Que nada mais é a transformacao do po colorido em tinta, como se tivesse se espalhado por todo o componente metálico. Essa cura é feita em um fornocom  temperatura de 120°C a 260°C. Por causa da camada de grande proteção, oferece uma resistência bem superior que material natural.

Os tipos de tintas recomendadas

A escolha do material muda o resultado que é obtido. Em geral, são utilizadas tintas com características específicas para que o efeito seja o desejado.

Telhas de aço inoxidável, por exemplo, exigem um material diferente das galvanizadas. Normalmente, as que apresentam qualidades especiais têm de recorrer a tintas diferenciadas. É necessário considerar, ainda, o método de aplicação e a cor desejada. Depois de avaliar tudo isso, dá para definir a melhor pedida. As mais comuns são feitas à base de poliéster, epoxi ou com características híbridas.

O uso de materiais naturais

Além da utilização de tintas, também é possível adotar produtos completamente naturais. Eles servem para criar uma cobertura extra, o que modifica a aparência do revestimento dentro do esperado.

O magnésio é um elemento que tem sido bastante utilizado para a tarefa. Pode ser aplicado nas telhas metálicas e revestidas, de modo a aumentar a proteção e melhorar o funcionamento no ambiente de trabalho.

As vantagens da pintura em telhas

Quer se convencer de forma definitiva sobre a pintura em telhas? Conheça os benefícios de recorrer a essa possibilidade e entenda os resultados que podem ser obtidos.

Otimização estética

O objetivo que mais pesa para a decisão de realizar a pintura em telhas é o que está relacionado à estética. A princípio, o maior interesse está em mudar a aparência do produto e garantir efeitos específicos. Então, uma das vantagens é a melhoria do aspecto.

Por meio de uma pintura bem planejada, é possível conseguir um visual único, de destaque e muito agradável. Para um negócio, isso gera diferenciação e até aumento da competitividade por garantir distinção em relação à concorrência.

No entanto, é essencial que o processo seja realizado de maneira industrial. Do contrário, o acabamento pode ficar aquém das expectativas.

Alinhamento com a identidade visual

A mudança na aparência não é executada sem propósito. O objetivo principal é obter um alinhamento com a proposta de identidade visual da marca. Imagine, por exemplo, uma empresa que utiliza uma nuance específica de vermelho em toda a sua comunicação.

Na hora de construir um depósito e ao optar pela cobertura metálica, ter os itens com o tom tradicional gera dissonância do restante da aparência. A pintura em telhas surge, então, como um mecanismo para garantir a harmonização e a obtenção da identidade visual desejada.

O processo deve ser bem avaliado, de modo que as cores escolhidas, de fato, remetam à empresa. Ao final, é possível fortalecer a marca e obter uma comunicação unificada.

Ampliação da proteção contra corrosão

Por causa da composição do aço, é comum que a oxidação seja um problema. A transformação do ferro em um óxido gera a ferrugem e compromete até a estabilidade do conjunto. Por isso, é preciso escolher chapas com maior resistência, como as que são galvanizadas.

No entanto, a pintura surge como um auxílio para ambientes altamente corrosivos. Em espaços que há um ataque ao material metálico, a tinta cria uma camada extra de proteção. Assim, há um impacto menor no aço e em seus componentes, o que atrasa ou mesmo impede a oxidação.

Aumento da resistência do aço

Ao comprar as telhas de um fabricante reconhecido e de qualidade, você terá melhores garantias quanto à procedência e ao desempenho dos produtos. Por meio de processos de fabricação que eliminam impurezas e com uma boa conformação, o resultado é um material bem resistente.

Para torná-lo ainda mais longevo, a pintura é uma alternativa. Com propriedades específicas e por criar uma barreira adicional, o processo impede que o aço seja comprometido pelo contato direto com o oxigênio, óxidos variados ou por intempéries. Isso faz com que o produto tenha uma vida útil muito maior, de modo a ampliar o retorno sobre o investimento e a adequação ao orçamento.

A pintura em telhas não é obrigatória, mas é uma tarefa desejável para conseguir bons efeitos. Da estética ao aumento de resistência, o processo garante um conjunto de resultados que é muito adequado para objetivos específicos.

Quer ter acesso aos melhores produtos e soluções? Entre em contato com a Regional Telhas e entenda como podemos ajudar!

Entenda o que é e como aplicar o conceito de lean construction nas suas obras

Entenda o que é e como aplicar o conceito de lean construction nas suas obras

Se você já se pegou pensando se existe um modo de otimizar os processos de sua obra, tornando-a mais rápida, eficiente e ainda mais barata, temos uma boa notícia para você! Existe sim!

Esses são os objetivos da filosofia Lean Construction — ou construção enxuta — , que prega esses valores para a área de construção civil. Ela é respaldada em cinco princípios que são: criar valor a partir das necessidades do cliente, identificar e eliminar o que não agrega valor para a obra — o chamado fluxo de valor —, otimizar o fluxo de produção e buscar sempre a perfeição.

Conheça mais sobre essa metodologia para o seu projeto de construção neste post e descubra como beneficiar sua obra e os fluxos da sua empresa de construção.

Conheça a Lean Construction ou construção enxuta

Os princípios básicos da Lean Construction datam da década de 1940 quando foram adotados na linha de produção da Toyota. Mas só em 1993, esses mesmos conceitos foram convertidos para a área da construção civil, que aderiu ao método de gerenciamento, que tem por objetivo aperfeiçoar os processos produtivos com redução de desperdícios de tempo, mão de obra e custos. 

Ela também é conhecida como Nova Filosofia de Produção (NFP), e sua principal mudança é no campo conceitual, no modo como os processos são compreendidos.

A consequência é o aumento da eficiência no canteiro de obras e da produtividade. Conheça, logo a seguir, os princípios fundamentais do método.

Elimine atividades que não agregam valor

Dentro da lógica de otimização dos processos em uma obra, a primeira ação em uma construção enxuta é fazer a análise dos fluxos envolvidos para reduzir aqueles que não agregam valor. É planejar a logística interna e evitar, por exemplo, o transporte desnecessário de materiais ou subutilizar funcionários.

Para quê contratar um funcionário apenas para segurar uma mangueira de concreto, se podemos apoiá-la em algum tipo de mecanismos e deslocar o funcionário para outra atividade indispensável?

Aumente o valor do produto a partir das necessidades do cliente

Antes de iniciar um projeto, conheça bem seu cliente, suas necessidades e desejos. Essas referências devem ser transmitidas para quem realiza a obra e precisam ser seguidas à risca. Desse jeito, você realiza um projeto vendável, de acordo com as necessidades do mercado e que não vai ficar parado por muito tempo esperando comprador.

Reduza a variabilidade

Reduzir a variação nos métodos de execução da obra, significa que você tem maior controle sobre eles, tende a reduzir também erros, atividades desnecessárias, tempo de realização e ainda aumenta a segurança do projeto. 

Esse tipo de cuidado, gera um reconhecimento do mercado, que tende a procurá-lo mais pela segurança que sua empresa confere ao projeto. Faça da padronização a sua marca registrada no mercado.

Diminua o tempo de ciclo

Tempo de ciclo é a soma de todos dos tempos necessários para a realização de cada tarefa em uma obra. Ou seja, é a soma do tempo gasto para transporte, confecção e entrega do projeto.

Se você consegue diminuir prazos em cada uma dessas atividades, reduz o tempo total da entrega da obra e obtém mais satisfação do cliente. Para conseguir esse efeito, busque uma produção menos instável — reduzindo a variabilidade —, e invista na especialização de seus funcionários em seus ramos de atividades.

Simplifique o processo com menos partes

Dentro da lógica de diminuir atividades (fluxo de valor), variáveis e tempo nos processos da obra, que tal reduzir também o número de partes envolvidas na produção?

Por exemplo, se você tem o material e os equipamentos no local de trabalho, não precisa transportá-los constantemente. Isso promove o ganho de tempo, melhora a logística interna e o prazo de entrega.

Amplie a flexibilidade do projeto

O que fazer quando o cliente pede uma alteração na obra? Atendê-lo com o máximo de presteza e rapidez, claro! Aumentar a flexibilidade significa que você consegue lidar com variáveis de última hora, realizando o pedido do seu cliente sem aumentar tanto os custos da obra. Mais uma vez, envolve planejamento e estudo do que pode ou não fugir do controle.

Tenha transparência em todo o processo

A transparência nos fluxos da obra faz com que os funcionários entendam todos as tarefas envolvidos, como as partes se conectam e a importância do prazo de seu trabalho para o trabalho do outro.

Disponibilizar o maior número de informações para os segmentos envolvidos facilita a tomada de decisões ao longo do processo, dá agilidade à supervisão e fiscalização de erros.

Você pode fazer isso de diversas formas, como deixar o canteiro de obra mais visível, sem tapumes ou divisórias, dispor de um mural de informações necessárias para as equipes, como metas e prazos, entre outros.

Proteja o meio ambiente com a nova metodologia

Se a lógica de construção enxuta implica em economia de tempo, insumos e barateamento do processo, isso tem também impacto direto em outro setor: no da sustentabilidade.

Menos matéria-prima, é maior preservação do meio ambiente, isso gera também menor produção de resíduos. E o uso inteligente dos recursos — como armazenamento adequado do material e da água usados na obra, economia de energia elétrica —, mais uma vez tem impacto positivo para a natureza.

Tenha uma obra mais enxuta e dinâmica

Como vimos, o Lean Construction ou construção enxuta é uma nova filosofia de construção que se baseia em um conjunto de otimizações e planejamentos que, quando aplicados no ramo da engenharia civil, diminui custos, prazos e torna o trabalho mais dinâmico e de qualidade.

Além de afetar positivamente o bolso do construtor com a economia que gera, busca incessante pela qualidade e satisfação do cliente, o que fomenta o nome da empresa no mercado. Ou seja, além de tudo ajuda a reverberar a marca positivamente no segmento.

Outra vantagem é que o sistema traz benefícios, não só para o construtor, mas também para os funcionários. É que eles tendem a adquirir maior especialização no trabalho com essa metodologia — é a racionalização da obra.

Se você gostou do método ou tem alguma dúvida sobre ele, deixe um comentário aqui no nosso post!

Telhas translúcidas: saiba como aproveitar a iluminação natural

Telhas translúcidas: saiba como aproveitar a iluminação natural

Todo construtor está obrigado, pelo Código de Obras, a iluminar minimamente um ambiente com luz natural. Em geral, eles recorrem a portas e janelas para conseguir esse efeito e estar dentro da lei.

Mas imagine aumentar esse índice em até 90%, economizar na conta de luz e ainda beneficiar o meio ambiente? Pois saiba que o uso da iluminação natural pode fazer isso pela sua obra.

Neste post, vamos ensiná-lo a obter esses benefícios recorrendo aos tijolos de vidro, aos domos, às prateleiras de luz, à iluminação zenital e às telhas translúcidas. Sem contar que esse tipo de peça confere charme extra às edificações e contribui para a saúde humana, já que a luz natural ajuda a ativar uma série de funções fisiológicas.

Continue lendo e conheça as vantagens da iluminação natural para o seu projeto.

Use a iluminação natural e economize

Quando se fala em responsabilidade ambiental, muita gente ainda tem em mente, de forma errônea, que é necessário fazer várias adaptações para estar dentro da lei e que a obra tem um custo final muito mais alto por isso.

Mas saiba que é possível usar material de preço competitivo, ter uma mentalidade sustentável e ainda economizar muito nos gastos com energia elétrica. A solução, que parece mágica, chama-se iluminação natural, uma tendência da arquitetura moderna que concede tudo isso sem deixar o bom gosto de lado.

Saiba como conseguir mais luz no seu projeto

Veja agora que tipo de recurso você deve utilizar para conseguir mais luz no seu projeto, seja na hora de construir ou de reformar:

  • tijolo de vidro – se você quer aproveitar a luz natural, principalmente em ambientes externos, pode recorrer ao tijolo de vidro. Ideal para áreas de piscina e varandas, ele pode ser usado para construir divisórias entre cômodos — permitindo que a luminosidade transpasse de um ao outro — e também como curinga na decoração, usado em bancadas e até no box de banheiros, por exemplo. É produzido em diversas cores além de ser um ótimo isolante térmico e sonoro;
  • domo de vidro – os domos ou cúpulas de vidro costumam ser uma solução para quem quer iluminação vinda do teto. Eles são empregados em vãos livres, podem ser fixos ou retráteis, porém, são mais usados em grandes construções devido ao seu alto custo. É comum vê-los em shoppings, estádios e centros de eventos, que necessitam de mais luminosidade e ventilação natural, pois reduz também o consumo de ar-condicionado;
  • prateleiras de luz – trata-se uma espécie de prateleira colocada horizontalmente abaixo de uma passagem de luz, como uma janela. Ela funciona como rebatedor da iluminação natural no teto redistribuindo a luz de forma mais ampla. A superfície da prateleira pode ter acabamento em material refletor para aumentar seus efeitos e o seu uso depende da adequação arquitetônica do lugar às suas características de funcionamento;
  • iluminação zenital – é aquela em que vãos são cobertos por material translúcido (telhas ou vidro) para permitir a entrada da luz. É muito comum em galpões e shoppings. Em casa, e de maneira mais simples, a iluminação zenital pode ser aplicada por meio da substituição de algumas telhas convencionais pelas translúcidas, deixando a luminosidade entrar no ambiente através delas. O sistema oferece ótimo retorno no quesito luz e pode variar quanto à aplicação de acordo com o formato do ambiente (átrio, sheds);
  • telhas translúcidas – são feitas de resina plástica reforçada com fibra de vidro, o que confere leveza e resistência a elas. Podem ser moldadas em diferentes formatos, têm boa resistência térmica e protegem contra os raios ultravioleta, o que garante mais luminosidade ao ambiente sem tirar o conforto. Podem ser aplicadas em jardins, estufas, grandes coberturas (como shoppings e galpões) ou ser aliadas ao sistema zenital. É uma solução rápida e barata na hora de obter mais iluminação natural para o ambiente e de economizar nas futuras contas de luz com a redução do uso da energia elétrica. Estão disponíveis nas versões branco leitoso, que possibilita a passagem de luz em até 68%, e na incolor, com incidência de até 90%.

Aproveite o melhor desse tipo de iluminação

Agora que você já conhece elementos que trazem a luz natural para o seu espaço, seja ele corporativo ou residencial, veja algumas dicas de como aplicá-los adequadamente:

  • avalie o tipo de iluminação que você precisa – o seu ambiente é de fato escuro ou você só quer trocar a iluminação artificial pela natural? Essa resposta é importante para mensurar o que e quanto será modificado no local. Por exemplo, uma sala muito escura pode ganhar detalhes com tijolos de vidro nas paredes e uma iluminação zenital com telhas translúcidas. Já para o segundo caso, apenas o uso de um desses elementos pode resolver. A quantidade de telhas a serem utilizadas também vai depender de quão iluminado você quer o seu espaço;
  • se estivermos falando de um galpão ou de qualquer outra área de grande extensão para uso corporativo, é quase obrigação ter esse tipo de influência luminosa no espaço. Afinal, quem quer trabalhar em um local escuro no qual é impossível saber se é dia ou noite e ainda pagar uma conta de luz caríssima por causa da necessidade de iluminar todo esse espaço? Alternar telhas translúcidas com as de outro tipo, usar um domo de vidro ou prateleiras de luz (dependendo do espaço) pode ser boa solução;
  • use iluminação natural nos espaços de convivência da sua empresa. Que tal construir um refeitório ou cafeteria todo em telhas translúcidas? Ou deixar esse tipo de ambiente mais charmoso e aconchegante com uma claraboia? Lembre-se: luz natural tem influência direta sobre o humor das pessoas assim como sobre suas funções fisiológicas.

Adapte sua iluminação e tenha o melhor dos mundos

Em um mundo ideal, o correto seria pensar em possibilidades de iluminação natural desde a sua construção. Mas os benefícios que ela traz são tantos que até o custo de uma obra de reforma se paga em pouco tempo com a economia que você vai fazer na conta de luz.

Além disso, os sistemas apresentados aqui oferecem inúmeras possibilidades de decoração e beleza para o seu espaço. Isso sem falar da questão da sustentabilidade, visto que você poupa recursos naturais por reduzir o uso de energia elétrica. A iluminação natural é a iluminação do futuro.

Curtiu o nosso post e as nossas dicas? Que tal compartilhá-lo nas suas redes sociais?